Rui Falcão pede investigação sobre relação entre MPF e Transparência Internacional na Lava Jato

"Embora a legalidade dessa forma de cooperação, por si só, possa e deva ser questionada, há fortes indícios de que a TI poderia ter atuado na administração e aplicação de recursos bilionários oriundos de acordos de leniência", diz o deputado Rui Falcão

www.brasil247.com - Rui Falcão
Rui Falcão (Foto: José Cruz/Agência Brasil)


Rafa Santos, na ConJur - O deputado federal Rui Falcão (PT-SP) acionou o Superior Tribunal de Justiça para que se apure possíveis prejuízos aos cofres públicos por conta da relação entre o Ministério Público Federal e a ONG Transparência Internacional.

Na petição inicial, o parlamentar aponta que a disponibilização pelo próprio MPF de uma série de comunicações, documentos e ofícios trocados entre procuradores à TI mostram sérios indícios de que, a pretexto de desenvolver ações genericamente apontadas, tenham sido praticados infrações penais, atos de improbidade administrativa, faltas disciplinares e violações dos deveres éticos e funcionais por parte dos procuradores da República envolvidos nos fatos.

O documento sustenta a necessidade de rigorosa apuração por conta de possíveis prejuízos aos cofres públicos resultantes de acordos de leniência sem embasamento legal.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Embora a legalidade dessa forma de cooperação, por si só, possa e deva ser questionada, há fortes indícios de que a TI poderia ter atuado na administração e aplicação de recursos bilionários oriundos de acordos de leniência, sem que se submetesse aos órgãos de fiscalização e controle do Estado", diz trecho do documento.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A petição protocolada pelos advogados Marco Aurélio de Carvalho e Fernando Hideo I. Lacerda lista uma série de comunicações entre a ONG e membros do MPF e destaca correspondência do dia 6 de junho de 2017, entre José Ugaz, então presidente da TI, e o ex-PGR Rodrigo Janot. Nos e-mails, são formulados pleitos específicos sobre a destinação dos recursos obtidos justamente no acordo de leniência celebrado com a J&F Investimentos S.A.

"O presidente da TI registra que a entidade caso venha a ter papel ativo no desenho e monitoramento dos processos, a TI se absterá de pleitear tais recursos durante todo o período em que possa ter influência decisória (Doc. 05), deixando clara a intenção dessa organização internacional de gestão dos recursos nacionais bilionários oriundos de acordos de leniência", diz outro trecho.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Para o deputado, o simples fato de o MPF admitir a participação de uma entidade internacional para tratar das premissas e diretrizes das decisões que guiarão como serão geridos e executados recursos previstos para investimento em projetos sociais já seria escandaloso.

O documento também cita reportagem publicada em setembro de 2020, que apresenta uma série de mensagens trocadas entre o procurador Deltan Dallagnol e o diretor-executivo da filial brasileira da Transparência Internacional, Bruno Brandão

Os arquivos com os diálogos foram entregues ao The Intercept e provocaram uma série de reportagens publicadas pelo site e veículos parceiros sobre os padrões de atuação do consórcio de Curitiba.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As conversas divulgadas apontam proximidade entre o procurador e o diretor-executivo da ONG que, por vezes, defendeu os métodos da autodenominada força-tarefa em veículos de imprensa. Muitas dessas manifestações de apoio à "lava jato" foram diretamente pedidas por Deltan.

Afronta à Constituição e memorando
Falcão sustenta na inicial que a organização engendrada para administrar os recursos representa uma "clara afronta à Constituição Federal e à própria soberania nacional" e menciona memorando do atual procurador-geral da República, Augusto Aras, que aponta que o MPF admitiu que uma organização privada internacional administrasse recursos nacionais bilionários, sem que tal atuação se submetesse aos órgãos de fiscalização e controle.

O memorando citado por Falcão é datado de 4 de dezembro de 2020 e foi objeto de reportagem da ConJur. No texto, Aras associa a manobra à que foi bloqueada por decisão do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal. No caso, o ministro suspendeu acordo semelhante do consórcio da "lava jato" de Curitiba que previa a criação de uma fundação com R$ 2,5 bilhões da Petrobras.

Em parceria com a Transparência Internacional, procuradores do Distrito Federal assinaram em 2017 um memorando que integravam as autodenominadas operações greenfield, sepsis, cui bono e carne fraca — que atingiram a holding J&F e levaram os executivos do grupo a fazer um acordo de delação e a leniência para a empresa.

Na época, a  organização "Transparência Internacional" divulgou em rede social (Twitter) uma "nota pública" contra texto publicado na ConJur e reproduzido, com comentários, pelo jornalista Reinaldo Azevedo no UOL. A notícia em questão relata a reação do procurador-Geral da República, Augusto Aras, contra a ideia de a ONG administrar a aplicação de R$ 2,3 bilhões da holding J&F em projetos sociais, por conta de seu acordo de leniência.

Por fim, o deputado pede que o STJ determine a expedição de ofício ao PGR, Augusto Aras, solicitando que se adote as devidas providências para apuração das condutas praticadas pelos membros do MPF em conjunto com a TI.

Também é requisitado que o Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União seja oficiado para investigar eventuais prejuízos ocasionados aos cofres públicos pela celebração de acordos de leniência pelo MPF em parceria com a TI no curso das operações "lava jato", "greenfield", "sépsis", "cui bono" e "carne fraca".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email