Ruralista já prevê boicote ao Brasil em razão da destruição da Amazônia por Bolsonaro

"Vai custar caro ao Brasil reconquistar a confiança de alguns mercados internacionais". Quem afirma é o presidente da Associação Brasileira do Agronegócio (Abag), Marcello Brito. A declaração reflete a preocupação dos ruralistas com o aumento do desmatamento da Amazônia no governo Jair Bolsonaro. "É questão de tempo" para um boicote a produtos do Brasil, avalia. O agronegócio movimenta mais de R$ 1,2 trilhão ao ano

www.brasil247.com -


247 - "Vai custar caro ao Brasil reconquistar a confiança de alguns mercados internacionais". Quem avalia é que o presidente da Associação Brasileira do Agronegócio (Abag), o goiano Marcello Brito, CEO da Agropalma. A declaração reflete a preocupação dos ruralistas com o aumento do desmatamento da Amazônia no governo Jair Bolsonaro. "É questão de tempo" para um boicote a produtos do Brasil, avalia. O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) havia alertado que a destruição em junho cresceu 88% e em julho 278% na comparação com iguais períodos de 2018. O agronegócio movimenta mais de R$ 1,2 trilhão ao ano e contribui com mais de 20% do PIB. 

Em entrevista ao jornal Valor Econômico, o ruralista demonstra as dificuldades de Bolsonaro em afinar as ideias com o setor. Para Marcello Brito, o agronegócio não precisa avançar sobre as terras indígenas, as ONGs não são o inimigo ("são mais um player da economia), a preservação custa (e os produtores deveriam ser remunerados por isso) e "a riqueza bioeconômica da Amazônia é incalculável".

Por conta da destruição acelarada da Amazônia, a Alemanha anunciou a suspensão de quase R$ 155 milhões destinados a projetos de preservação ambiental no Brasil e a Noruega anunciou o bloqueio de cerca de R$ 133 milhões, destinados ao Fundo Amazônia. Este último país (escandinavo) é o maior financiador do fundo de proteção da Amazônia tendo doado cerca de R$ 3,69 bilhões para utilização em projetos de conservação ambiental em dez anos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

De acordo com o presidente da Abag, "a alta do desmatamento é resultado de percepção". "Se se encara que a fiscalização diminuiu - e vamos ser sinceros, não diminuiu só por parte do governo federal, mas também pelos governos estaduais, porque está todo mundo quebrado. Se o presidente insiste em dizer que ambiente não é o foco dele, passa-se a percepção ao pessoal que pode desmatar", complementa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O dirigente afirma que a destruição da Amazônia "começa a mobilizar setores do agro que sabem que vai dar problema de acesso a mercado, no preço do produto". "Quando se personifica um setor como tudo que há de ruim em termos ambientais, ninguém ganha. Ataca-se o valor direto do seu produto. A pergunta é: a quem interessa transformar o Brasil em um pária ambiental do mundo?", pergunta.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Questionado pela reportagem se "é questão de tempo que parem de comprar do Brasil", o presidente da Abag foi taxativo: "É questão de tempo".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email