Salles diz que índio morto no Amapá "bebeu uma cachacinha e morreu afogado"

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, afirmou que a associação entre a escuridão na cidade de São Paulo e as queimadas na Amazônia é fake news. Ele também disse que a morte do líder indígena Emyra Waiãpi, no Amapá, não foi executada por garimpeiros e que o índio bebeu cachaça e morreu afogado.

(Foto: Mídia NINJA/Douglas Freitas/Cobertura Colaborativa)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, afirmou que a associação entre a escuridão na cidade de São Paulo e as queimadas na Amazônia é fake news. Ele também disse que a morte do líder indígena Emyra Waiãpi, no Amapá, não foi executada por garimpeiros e que o índio bebeu cachaça e morreu afogado. 

Ele disse: "o falecimento, o triste falecimento de uma liderança indígena que alguns órgãos de imprensa se apressaram em dizer que foram garimpeiros que invadiram uma reserva e saíram matando todo mundo, depois descobriu que o índio tinha bebido uma cachacinha e caiu no rio afogado. Esse sensacionalismo irresponsável na área ambiental não contribui para as melhores práticas e para a defesa efetiva das questões importantes do nosso país."

O ministro ainda afirmou: "aproveito para comentar a fumaça ou aquela escuridão que deu ontem na cidade de São Paulo e que alguns disseram que é a fumaça da Amazônia que encobriu a cidade. Essa afirmação parece até um vídeo que vi, um mês atrás, de um helicóptero do Ibama sendo recebido a tiros e, depois, meia hora depois, mostrou um menino que tinha feito uma montagem."

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247