Senado e Supremo impõem duras derrotas a Bolsonaro e enterram MP das fake news

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, e a ministra do STF Rosa Weber impedem a alteração do Marco Civil da Internet, pretendida por Bolsonaro para proteger seus crimes de difusão de fake news

Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro (Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino | Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - Jair Bolsonaro sofreu dupla derrota nesta terça-feira (14). O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), e a ministra do STF (Supremo Tribunal Federal) Rosa Weber barraram a Medida Provisória editada por ele, que limita a retirada de conteúdos publicados nas redes sociais ao alterar o Marco Civil da Internet, informa o UOL.

Pacheco decidiu devolver a MP ao governo enquanto Rosa decidiu pela suspensão do texto, atendendo a pedidos de ações no Supremo. A medida representa uma derrota dura para o governo de Jair Bolsonaro.

Segundo a MP assinada por Bolsonaro, as redes sociais não podem moderar por conta própria os conteúdos e excluir, suspender ou bloquear perfis ou postagens de acordo com as regras das empresas.

PUBLICIDADE

Para especialistas, a nova regra pretendida por Bolsonaro tem inconstitucionalidades e dificulta o combate às fake news. 

Antes das decisões de Pacheco e Weber, Bolsonaro afirmou que "fake news faz parte da vida" e defendeu não ser necessário que o governo crie uma forma de regular essa questão.

PUBLICIDADE

Para o presidente do Senado, a MP traz "insegurança jurídica". 

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email