Senador vai à Justiça para obrigar Bolsonaro a pagar custos de produção e compra de cloroquina

O senador Fabiano Contarato (Rede-ES) entrou na Justiça contra Jair Bolsonaro, que se tornou um garoto-propaganda da cloroquina, apesar de ser uma medicação não recomendada pelos médicos para o tratamento da Covid-19. O parlamentar pede que Bolsonaro pague o valor gasto pelo governo com a produção e aquisição do medicamento

Senador Fabiano Contarato e Jair Bolsonaro mostrando caixa de cloroquina
Senador Fabiano Contarato e Jair Bolsonaro mostrando caixa de cloroquina (Foto: Roque de Sá/Agência Senado | Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O senador Fabiano Contarato (Rede-ES) entrou na Justiça nesta terça-feira (4) para obrigar Jair Bolsonaro a pagar o valor correspondente aos gastos públicos com produção ou aquisição de cloroquina. 

Bolsonaro se tornou um garoto-propaganda da cloroquina, que ele apresentou como se fosse um medicamento adequado para o tratamento da Covid-19, contra a opinião de quase toda a comunidade médica nacional e internacional. 

Contarato solicita que Bolsonaro tenha seu salário descontado. A ação também pede que o governo suspenda a produção ou aquisição do medicamento que tenha essa finalidade.

O senador diz no processo que houve dano financeiro ao patrimônio da União e o ato deve ser declarado nulo.

“A saúde pública está sendo exposta a um risco gravíssimo. Recorremos à Justiça porque não há estudo científico que comprove a eficácia dos medicamentos”, diz Contarato.

As informações são do Painel da Folha de S.Paulo
 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247