Sindicato: greve da PF prejudica emissão de passaportes

A paralisação, iniciada nesta terça-feira, também tem provocado filas na fronteira do Brasil com o Paraguai e atrasado a decolagem de aviões em aeroportos do Paraná

Sindicato: greve da PF prejudica emissão de passaportes
Sindicato: greve da PF prejudica emissão de passaportes (Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 com Agência Brasil – A greve nacional de agentes, escrivães e papiloscopistas da Polícia Federal, iniciada nesta terça-feira, já prejudica a emissão de passaportes, segundo a Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef). De acordo com a entidade, apenas passaportes de urgência estão sendo emitidos. Em Porto Alegre, a média diária de emissão de passaportes já caiu de 300 para 20. Em São Paulo, o sindicato estima queda de 30% na emissão de passaportes (a média diária é de 2 mil).

Já o Sindicato dos Policiais Federais no Estado do Paraná (Sinpef-PR) registra que a paralisação tem provocado filas na fronteira do Brasil com o Paraguai e atrasado a decolagem de aviões em aeroportos do Paraná. A paralisação também interrompeu pelo menos 100 investigações de grande porte no Estado.

De acordo com o sindicato, a adesão à greve está próxima de 100% no Paraná, mas a categoria tem mantido o percentual mínimo de 30% dos servidores em atividades essenciais, como a guarda de presos e os plantões nas delegacias.

"Investigações importantes sobre crimes como tráfico de drogas e armas, pedofilia, contrabando, corrupção e tráfico de pessoas estão paradas", disse à Agência Brasil o presidente Sinpef-PR, Fernando Augusto Vicentine. "Nem as escutas telefônicas estão sendo monitoradas", completou.

Nos aeroportos, portos e regiões de fronteira, os policiais federais fazem o que chamam de operação-padrão. Na Ponte da Amizade, em Foz do Iguaçu, todos os veículos vindos do Paraguai são revistados, inclusive as motocicletas. "As motos têm sido um dos veículos mais usados para a entrada de drogas e armas no Brasil, e essa fiscalização não é uma rotina diária nossa por falta de efetivo", disse Bibiana Silva, delegada sindical do Sinpef-PR. "No Aeroporto Internacional de Foz de Iguaçu, estamos revistando as bagagens de todos os passageiros, inclusive as de mãos, o que provocou atrasos, mas não fez ninguém perder o seu voo."

No Aeroporto Internacional Afonso Pena, na região de Curitiba, houve atrasos em 27 dos 82 voos até as 17 horas de hoje, o equivalente a 32,9% dos voos. A Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) confirmou que todas as bagagens transportadas nos compartimentos de carga das aeronaves foram inspecionadas por policiais federais no período da manhã, mas não soube precisar quantos dos atrasos foram causados diretamente pela operação-padrão.

A emissão de passaportes, que chegou a ser feita na parte da manhã, também foi interrompida à tarde em todo o estado. No Porto de Paranaguá, a PF também suspendeu a concessão de passes aos tripulantes dos navios, o que impede que eles deixem a área primária do porto e ingressem legalmente no país.

Amanhã (8), os policiais federais em greve promovem um ato simbólico de entrega de suas armas e distintivos, em frente ao prédio da Superintendência Regional da Polícia Federal, em Curitiba. Procurada pela Agência Brasil, a assessoria de imprensa da PF no Paraná informou que não se manifestará sobre o movimento grevista.

A categoria reivindica reestruturação salarial e da carreira dos agentes, escrivães e papiloscopistas. O salário inicial desses três cargos é R$ 7,5 mil, o equivalente a 56,2% da remuneração dos delegados, cujo vencimento de início de carreira é R$ 13,4 mil. A última greve nacional da PF ocorreu em 2004 e durou cerca de dois meses.

Segundo o presidente do Sinpef-PR, a concessão do adicional de fronteira, prevista em projeto de lei encaminhado na semana passada pela presidenta Dilma Rousseff ao Congresso Nacional, não interfere na greve porque não faz parte da pauta de reivindicações. "Ainda não analisamos o projeto, mas esse adicional já estava acordado. A nossa luta com essa greve é pela reestruturação da carreira", diz Vicentine.

A greve da PF afeta ainda os serviços de fiscalização de empresas de vigilância, a liberação de portes de armas e o atendimento a estrangeiros.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email