“Sinto vergonha alheia pela atuação do Conselho Federal de Medicina”, diz Dirceu Greco

Professor emérito da UFMG e presidente da Sociedade Brasileira de Bioética, o médico Dirceu Greco afirmou sentir "vergonha" da atuação do Conselho Federal de Medicina na pandemia do coronavírus. Também destacou que "não tem tratamento precoce" para a doença. "Como em uma situação de falta de oxigênio em Manaus, levam medicamento sem efeito?", questionou

(Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Professor emérito da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e presidente da Sociedade Brasileira de Bioética, o médico Dirceu Greco criticou a atuação o Conselho Federal de Medicina (CFM) na pandemia do coronavírus. 

"Sinto vergonha alheia", disse ele à TV 247. "As coisas foram piorando. Como em uma situação de falta de oxigênio em Manaus, levam medicamento sem efeito?", questionou.

O médico destacou que não existe tratamento precoce para a Covid-19, como já recomendaram Jair Bolsonaro e o ministério da Saúde. 

"Não tem ponto ético", disse. "O primeiro ponto é saber qual é o sintoma. Depois de confirmar a Covid-19, o médico vai verificar se é necessário internar. Senão o paciente passará por tratamento sintomático, como repouso e medicamento para tratar a febre. Não tem tratamento precoce", complementou.

O médico também defendeu a atuação do Sistema Único de Saúde (SUS). "A barbárie que vivemos está mitigada por causa do SUS. A atenção básica deve ser financiada e valorizada porque lá é a porta de entrada. Toda vacina tem que ser pelo SUS e não por firmas privadas".

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email