"Só a luta impedirá a catástrofe", diz carta de militantes de esquerda

"É um chamamento à ação contra o fascismo e o ultraliberalismo do governo Bolsonaro-Mourão, cujo afastamento é urgente para livrar o Brasil das crises – sanitária, econômica, social, política, ambiental, cultural – que sacrificam nosso povo", diz o texto

(Foto: André Penner/AP | Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Um grupo de militantes do PT, de movimentos sociais e de trabalhadores lançou nesta quarta-feira, 3, uma carta em defesa da democracia e contra o governo de Jair Bolsonaro. 

O texto é assinado, entre outros pelo jornalista Breno Altman e pelos ex-presidetes do PT José Genoíno e Rui Falcão. 

Leia, abaixo, o texto na íntegra:

Só a luta impedirá a catástrofe

O texto a seguir é uma declaração pública de militantes de esquerda, petistas ou não, comprometidos com a luta em defesa da vida, da democracia e da soberania nacional. É, também, um chamamento à ação contra o fascismo e o ultraliberalismo do governo Bolsonaro-Mourão, cujo afastamento é urgente para livrar o Brasil das crises – sanitária, econômica, social, política, ambiental, cultural – que sacrificam nosso povo. Para reacender a esperança de que é possível um novo mundo sem exploração, opressão e preconceitos, sua assinatura e participação são decisivas.

1.O Brasil vive uma crise sem precedentes na história. Esta crise – sanitária, social, econômica, política, ambiental, cultural – está entrelaçada a uma crise mundial. O País está, portanto, envolto em uma crise sistêmica mundial do capitalismo, frente à qual o Partido dos Trabalhadores, como partido socialista e de esquerda, deve apresentar uma alternativa também sistêmica.  

2.A situação mundial de crise e instabilidade precede a pandemia, mas foi aprofundada por ela. Trata-se de uma crise do capitalismo, advinda de contradições estruturais, agravadas pelas sequelas da crise de 2008, pela queda no comércio e do PIB mundial, que deve despencar até cerca de 5% na Europa, arrastando milhões ao desemprego e condenando mais de 60 milhões à miséria e à fome.  

3.Diante da crise, para tentar manter e ampliar seus lucros, os capitalistas atacam violentamente os direitos e conquistas das classes trabalhadoras. Com a mesma intensidade, os países imperialistas promovem toda sorte de agressões contra os povos de todo o mundo, sobretudo na América Latina: golpes, sabotagens, bloqueios criminosos, desestabilizações políticas e ameaças de intervenções militares, externas e internas, contra governos não alinhados.   

4.Nesse contexto, há um acirramento da competição econômica, política e militar entre potências, com destaque para a disputa geopolítica entre Estados Unidos e República Popular da China. Eclodem conflitos militares, que vêm reacendendo a corrida armamentista, e sucedem-se provocações localizadas típicas da “guerra fria”, que podem escalar devido aos interesses dos Estados Unidos.  

5.Ondas migratórias despertam manifestações represadas de xenofobia, racismo e fundamentalismo religioso em diversas partes do mundo, levando governos de diferentes países a culparem migrantes pelo desemprego crescente, sobretudo entre os jovens.  

6.Não menos grave, associada a estes fenômenos, é a catastrófica crise sócio-ambiental, cujas proporções crescem geometricamente em função da dinâmica destrutiva do capital e da maioria das grandes potências. A crise envolve desde o aquecimento global, o esgotamento de matrizes energéticas não-renováveis, as perdas de biodiversidade, até guerras por água, terras e minérios. Alastra-se impunemente – e o Brasil é um triste exemplo – o uso indiscriminado de transgênicos, defensivos químicos e venenos, além dos efeitos cumulativos da industrialização e urbanização desordenadas, que favorecem o surgimento e propagação de pragas, bem como de doenças virais respiratórias, a exemplo da Covid-19.  

7.Vista de conjunto, embora distinta, é uma crise tão devastadora quanto aquela que assolou mundo entre 1914 e 1945. Se, naquela época, o “dia seguinte” foi um mundo com mais bem-estar, com ampla descolonização e relativa democratização, isso só ocorreu porque ao final de muita luta prevaleceram os setores socialistas e democráticos. Já o desfecho imediato das crises de 1929, de 1970 e de 2008 foi outro. Daí ser um equívoco imaginar, guiados por uma visão idílica, que no pós-pandemia “nada será como antes”, ou que na esteira da crise atual surgirá necessariamente um mundo melhor.  

8.Até porque a presente crise mundial teve e segue tendo impactos profundos sobre a classe trabalhadora mundial que, com raras exceções, acumula perdas há décadas. Estas decorrem de mudanças no capitalismo mundial tais como a mundialização da produção; a concentração do capital; a precarização e terceirização; o desemprego em massa. As perdas sofridas pela classe trabalhadora afetaram negativamente as condições de vida e trabalho de centenas de milhões de pessoas, sendo acompanhadas de uma ofensiva ideológica reacionária e da restrição das liberdades democráticas, com destaque para a desorganização e enfraquecimento relativo do sindicalismo.  

9.O ataque é cerrado, mas há resistência das classes trabalhadoras que não renunciam a seus direitos, sua dignidade e suas vidas; e dos povos que defendem suas riquezas, sua independência e soberania, contra um processo que destrói suas perspectivas de desenvolvimento, suas políticas públicas de industrialização e capacitação científico-tecnológica, condenando-os a um lugar totalmente subordinado na divisão internacional do trabalho.

10.Por isso, para construir um novo futuro para a humanidade é fundamental reviver a esperança e conquistar vitórias nas lutas travadas neste momento. Sem o otimismo da vontade, da ação e da luta de classes, o “novo normal” pode acirrar as piores características do “normal de ontem”. Ou seja, com mais desigualdade, mais exploração, mais Estado de exceção, mais neoliberalismo, mais guerras.  

11.É fato que vivemos num mundo de problemas globais, para os quais o capitalismo não tem solução, sendo na mais das vezes a causa. Mas, para derrotar o capitalismo, será forçoso um duro confronto entre classes e entre Estados, em escala nacional, regional e mundial. Mesmo moribundo, o capitalismo não morrerá de morte natural, incruenta, indolor. Inclusive por isso, frente à crise sistêmica do capitalismo é que o Partido dos Trabalhadores, desde o seu nascimento, defende uma alternativa ao sistema capitalista: o socialismo.  

12.A construção de uma saída democrática, popular e socialista para os problemas do Brasil está vinculada ao curso que siga a crise mundial do capitalismo. E se liga à constituição de uma nova ordem mundial, profundamente distinta da que existe atualmente. Para tanto, será determinante a ação das classes trabalhadoras e do povo brasileiro, da esquerda política e social. Por isso, para liquidar e enterrar o “capitalismo moribundo”, é essencial uma orientação política adequada, organização firme, democracia interna, disciplina, unidade de ação e fôlego para lutar até vencer.

13.O Partido dos Trabalhadores deu um passo importante ao assumir a defesa do “Fora Bolsonaro”. Afinal, o presidente da República é uma ameaça permanente contra a vida da democracia e contra vida do povo brasileiro. Por isso mesmo o PT, em conjunto com outros partidos e algumas centenas de entidades e movimentos, protocolou um pedido de impeachment na Câmara dos Deputados, para que, ao final do processo previsto no artigo 86 da Constituição Federal, Jair Bolsonaro possa ser afastado e condenado à perda do mandato. Com o mesmo objetivo, o PT e outros partidos ajuizaram queixas-crime junto ao Supremo Tribunal Federal, a fim de destituír Bolsonaro do cargo.  E reafirmamos a impugnação processada, ainda em 2018, contra a eleição manipulada e ilegítima da chapa Bolsonaro-Mourão.

14.Vale lembrar que os crimes, comuns e de responsabilidade, cometidos pelo presidente, são do conhecimento, têm o respaldo e a cumplicidade do vice-presidente da República, bem como de todos os integrantes de seu governo. Portanto, para eliminar as causas da crise que se abate sobre a Nação e o povo brasileiros, é fundamental afastar Bolsonaro e Mourão, seu governo e suas políticas, convocando o povo para eleger, através do voto universal, direto e secreto, quem ocupará a Presidência da República, em eleições nas quais o companheiro Lula, com suas condenações injustas anuladas e seus direitos políticos restituídos, possa, querendo, participar.  

15.É em torno dessa luta política central, mas também em torno das lutas em defesa da vida,  dos direitos sociais, das liberdades democráticas e da soberania nacional, dos trabalhadores do campo e da cidade, das mulheres, negros e negras, da juventude e dos povos indígenas, que se constituirá a Frente – de esquerda, democrática e popular – capaz de retomar o fio das mudanças estruturais indispensáveis para salvar o presente e o futuro do Brasil.

16.Não se trata de uma tarefa fácil. Entre outros motivos, porque corremos contra o tempo. Insensível e debochado diante das milhares de mortes provocadas pela sua política genocida, Bolsonaro promove o caos econômico e social, a destruição das liberdades, o afrontamento aos poderes Legislativo e Judiciário e a militarização do país.  

17. O presidente, o vice e grande parte dos ministros são militares, inclusive os que têm seus gabinetes e despacham cotidianamente no Palácio do Planalto, assim como um ministério-chave em tempos de pandemia: o da Saúde. Nos demais escalões do governo, há cerca de 2 mil militares. Ao mesmo tempo, é notório o vínculo entre o clã Bolsonaro, as milícias tradicionais e as milícias digitais. O para-militarismo vem sendo estimulado publicamente. A faceta bélica do governo se orienta contra os povos indígenas, os trabalhadores do campo, os negros, as mulheres, os homossexuais e contra a esquerda em geral. Frente a um governo com este comportamento violento, autoritário, ditatorial, de tendência neofascista não há contemporização possível: cabe apenas o enfrentamento firme e resoluto.

18.Se não forem detidos, Bolsonaro, Mourão, seu governo e suas políticas prosseguirão na ofensiva contra a democracia,  a sociedade, a economia nacional – sobretudo as pequenas empresas e os trabalhadores – e ameaçando a sobrevivência da população. Este mesmo povo, que chora as mortes de milhares de parentes e amigos, ceifados pelo coronavirus, enquanto assiste  avultarem os milhões já desempregados e o retorno da legião de famintos e desassistidos.  

19.Antes da pandemia, o Brasil já sofria os efeitos da ofensiva golpista, com destaque para a Emenda Constitucional 95 (que congelou os gastos do Orçamento); a reforma trabalhista; a reforma da Previdência Social e desmonte do INSS; a extinção do Ministério do Trabalho e da Cultura;  o sucateamento do Sistema Único de Saúde (SUS). A sucessão de ataques desfechada pelo próprio governo atingiu a Funai, o Ibama, as universidades públicas e instituições públicas de pesquisa (INPE, Fiocruz e outras).  

20.Mas não ocorreu só este desmonte, houve ampliação do desemprego, redução do salário e da renda das classes trabalhadoras, desmantelamento das redes legais de proteção social — e uma brutal investida do capital predatório (latifúndio, madeireiras, mineradoras) contra as lideranças sociais, sobretudo assassinatos em série de indígenas e camponeses das regiões remotas e de fronteira agrícola. Os povos originários, indígenas e quilombolas têm sido intensamente atingidos pelos efeitos da crise ambiental e também pela ofensiva do capital neofascista ultraliberal. No campo, o avanço do modelo de latifúndio mecanizado exportador do agronegócio segue sufocando sistematicamente a produção da agricultura familiar.  

21.A implementação do plano golpista e ultraliberal não produziu uma retomada da atividade econômica como fora prometido. Ao contrário, assistimos a uma deterioração crescente de todos os indicadores, exceto os lucros do setor financeiro e bancário.  

22.Os desdobramentos da pandemia agravaram tudo o que já vinha sucedendo antes no país: desemprego (com taxas crescentes para a juventude, negros e negras, mulheres); piora nas condições de trabalho (exposição a agentes biológicos sem medidas de proteção, jornadas exaustivas, principalmente para as mulheres, que acumulam de forma desigual as tarefas domésticas e do cuidado); corte de salários; deterioração da situação social (afetando, de maneira particular, indígenas e quilombolas); miséria; redução das políticas públicas e sociais; depressão da atividade econômica; ampliação da violência doméstica contra mulheres e crianças, e até mesmo (como em São Paulo e Rio de Janeiro, por exemplo) escalada dos assassinatos cometidos pela Polícia Militar, tendo como alvo principal jovens e negros da periferia. Se não bastasse, a dramática situação de saúde pública, acirrou a crise social, que vitima principalmente os setores populares, a população negra e as mulheres; e atinge com maior violência proporcional algumas regiões como é o caso do Norte do País.

23.Por incrível que pareça, há método nesta aparente loucura. Como deixou claro o ministro Paulo Guedes – secundado, entre outros e não por acaso, pelo ministro do Meio Ambiente – a ideia é aproveitar a pandemia (que concentra a atenção de quem defende a vida em primeiro lugar) para manter e, de preferência, acelerar as privatizações, a desregulamentação generalizada, a desnacionalização, a subtração de direitos, a concentração de renda, redução dos investimentos públicos e sociais, a ofensiva contra o meio-ambiente, a regressão da economia nacional à condição da produção primário-exportadora. Ao passo que, em outros países, a própria classe dominante planeja a saída da crise mesmo que temporariamente, por uma ampliação do papel do Estado, no Brasil o governo Bolsonaro pretende que a “retomada” se dê entregando o país na bacia das almas e oferecendo, para uma população exposta ao desemprego em massa e à pobreza extrema, salários de fome e regimes de trabalho semiescravos.

24.É importante frisar: diante da crise mundial e geopolítica, a opção de Bolsonaro/Guedes é subordinação completa do Brasil, relegando o País a mero fornecedor de matéria-prima na divisão internacional do trabalho e de peão geopolítico dos Estados Unidos. Nesse contexto, o Estado brasileiro deve se comportar, essencialmente, como um poder repressivo. De tal sorte que as classes trabalhadoras são encaradas, em grande medida, como obsoletas e descartáveis. Por isso, são condenadas ao desemprego estrutural, à informalidade, ao encarceramento em massa ou até mesmo à morte, motivo pelo qual a mortandade causada pela pandemia é funcional ao projeto do governo Bolsonaro.  

25.Esse é o projeto ultraliberal que está na base da articulação golpista que tirou o PT do governo em 2016, condenou e prendeu Lula em 2018 e apoiou a eleição de Bolsonaro. Eis por que, a despeito do incômodo em relação a seu estilo, o governo Bolsonaro segue tendo apoio do grande empresariado, especialmente do setor financeiro e do agronegócio – desde que continue fiel à pauta e os interesses destes grupos. Também pela mesma razão, setores do oligopólio da mídia que criticam o presidente calam-se diante dos descalabros da sua política econômica. Além disso, o governo conta com respaldo nas Forças Armadas, polícias militares, milícias e, por último, mas não menos importante, goza do apoio em setores e em cúpulas de igrejas conservadoras, de grande influência popular.  

26.Entretanto, apesar de unificada em torno do programa neoliberal, a classe dominante e a coalizão golpista exibem diversas fissuras políticas. A extrema-direita é favorável a concentrar poderes no “poder executivo” federal, inclusive para poder tratar com mais facilidade a questão social como caso de polícia. Outros setores do golpismo buscam preservar seus espaços de poder, nos Executivos municipais e estaduais, no Legislativo, no Judiciário, e também nos meios de comunicação.  

27.O conflito no interior do golpismo pode ter três desenlaces: um acordo, a vitória do clã de Bolsonaro ou sua derrota. O cenário mais provável segue sendo o acordo por cima, baseado na unidade em torno do programa neoliberal e na tutela militar.  Por isso, aliás, a derrota do clã, se efetivada por setores da direita -- mediante golpe explícito, a tutela militar, o afastamento temporário para julgamento por crime, ou um impeachment com a substituição pelo vice -- não deve causar mudança na política ultraliberal. Inclusive, a depender de como ocorra, a derrota do clã pode ser acompanhada de medidas ainda mais restritivas às liberdades democráticas. Por outro lado, tanto o cenário de acordo quanto o de vitória do clã supõem um aprofundamento da tutela militar, com elementos cada vez mais autoritários. Nos três cenários, pesam imensas ameaças contra a esquerda e o Partido dos Trabalhadores.

28.A chamada Operação Lava Jato – na qual teve papel central o ex-ministro e ex-juiz Sérgio Moro -- é a principal, mas não a única expressão do esforço de destruir ou pelo menos debilitar de maneira profunda o Partido dos Trabalhadores. Tal esforço abrange as mais variadas operações da classe dominante, no plano judiciário, legislativo, executivo, midiático, paramilitar e internacional. Apesar de o alvo principal ser o PT, o objetivo é destruir as condições de atuação independente do conjunto da esquerda e das classes trabalhadoras.

29.Por todos estes motivos, torna-se decisivo que o PT contribua – com firmeza, habilidade e sem arrogância – para coesionar o campo democrático e popular em uma frente de esquerda, que apresente uma saída de conjunto para a situação, uma alternativa política que crie as melhores condições não apenas para a aplicação de um plano de emergência em defesa da vida, do emprego e da renda, mas também um programa de reformas estruturais e de defesa do meio-ambiente. Um programa de natureza democrática,  antiimperialista, antimonopolista, antilatifundiária, antipatriarcal e antirracista, que aponte  ao País um novo rumo político, econômico e social; um programa de desenvolvimento e democratização cujo paradigma não seria o retorno à Nova República, mas uma nova ordem constitucional. Um programa que tenha como um de seus eixos a integração regional latino-americana e caribenha, convertendo nossa região em um dos polos, inclusive industrial e tecnológico, de uma nova ordem mundial.

30.A construção de uma frente popular de esquerda, a julgar pela experiência histórica, é um processo que será tecido por muitas mãos e passará por muitas etapas. Até porque vivemos, hoje, um momento de defensiva estratégica, onde têm destaque bandeiras defensivas, de resistência das classes trabalhadoras e de outros setores do povo brasileiro, por exemplo: defesa da vida e da saúde pública; defesa da democracia, dos direitos civis; do ensino público e da universidade democrática; contra a reforma da Previdência; pela anulação da condenação injusta do presidente Lula e pela restituição de seus direitos políticos. Um momento em que a luta política contra o ultraliberalismo e contra o neofascismo ainda se trava, em grande medida, nas instituições e nas eleições.  

É um momento em que a classe trabalhadora vai reaprendendo como se organizar e lutar, nas difíceis condições da pandemia, que acentuaram problemas anteriores, inclusive as divisões no meio da própria esquerda.  

31.No contexto da pandemia, ganha lugar central a defesa da vida. Para o ultraliberalismo, grandes parcelas do povo brasileiro simplesmente não importam. Daí porque defender a vida é, em si, uma bandeira fundamental da luta política. É preciso radicalizar na defesa do lockdown imediato; da fila única para leitos dos hospitais públicos e privados; da estatização de serviços privados de saúde; do financiamento do SUS; e da continuidade da política de transferência de renda.  

Mais que nunca, urge sermos radicais também nas propostas para a retomada da economia em novas bases, o que exigirá golpear pesadamente o capital financeiro, rentista, especulador.

32. É nas trincheiras dessas batalhas que vai se gerando, por baixo e por cima, a unidade popular. Caso consigamos impulsionar um ciclo permanente e ampliado de mobilizações, que coloque em movimento milhões de brasileiros e brasileiras, poderemos passar da resistência à ofensiva, ampliando as divisões do bloco conservador e abrindo caminho para alternativas mais avançadas.

33.A base política de uma frente popular deve ser a unidade de toda a esquerda brasileira, em aliança com setores democráticos da sociedade e, também, com setores de partidos da centro-esquerda como PSB e PDT. É fundamental, nesse sentido, criar uma dinâmica de convergência com os movimentos sociais, lideranças culturais, intelectuais e religiosas da resistência.  

34.O papel do Partido dos Trabalhadores é indispensável nesse processo de criação de uma frente popular, de esquerda, ampla porque radical. O protagonismo do PT é determinado pela sua inserção social, pelo fato de contar com a maior bancada no Congresso e por ter conquistado governos estaduais com grande apoio popular que devem estar integrados ao mesmo projeto nacional. Porém, o fundamental é a linha política e a capacidade do PT em demonstrar para a maioria do povo, que sua vida só vai melhorar se derrotarmos o neofascismo e o ultraliberalismo. O que só se efetivará através de uma ampla frente popular de esquerda.

35. Ao longo dessa caminhada, não podemos, em nenhum momento, sucumbir aos apelos de nos tornarmos força auxiliar de eventuais soluções funcionais aos defensores da agenda ultraliberal, que estejam em busca de um ambiente político menos arriscado para implementar seu programa. É ilusão associar-se a qualquer frente que não deixe claro seus compromissos com as condições de vida da maioria do povo brasileiro, com a reconstrução de nossa soberania nacional, com a defesa de liberdades democráticas reais, com a derrota da extrema-direita e do fascismo. Como já dissemos, a experiência histórica e internacional tem demonstrado que a única maneira de deter a ascensão do fascismo é pela esquerda. Na conjuntura que vivemos, para ser amplo, é preciso ser radical.  

36.Acordos, movimentos e ações pontuais podem ser realizados com frações burguesas que colidam com o bolsonarismo e defendam, mesmo que parcialmente, as liberdades democráticas.  Sem, contudo, alimentar a ilusão de formar uma coalizão orgânica, permanente e estável que incorra em concessões programáticas de qualquer tipo.  

37.Tampouco podemos atuar como se estivéssemos em uma situação normal, fazendo cálculos e centralizando nossa intervenção exclusivamente com vistas às eleições de 2020 e 2022. Nossa perspectiva tática deve ser a campanha “Nem Bolsonaro nem Mourão! Diretas Já!”. Devemos repelir como ilegitima e antidemocrática qualquer saída que não passe pelo voto popular. E, como já foi dito, eleições realmente livres são eleições de que Lula possa participar.

38.É essencial frisar que a democracia que defendemos só pode ser uma democracia sem a tutela dos setores populares e da classe trabalhadora. Isto é, uma democracia sem vetos ao PT, nem a Lula, pois isto significaria aceitar o veto à auto-organização partidária de ampla parcela dos setores populares do País. Frentes amplas que não que não proponham o afastamento de Bolsonaro, que não defendam o impeachment, que não defendam a soberania popular como a premissa básica da democracia, que não defendam novas eleições, que compactuem com a tutela militar -- frentes com tais características não nos interessam. Ao contrário, elas nos enfraquecem, porque, além de confundirem nossas bases populares, nosso limite será o de atuar segundo regras pré-definidas pelos setores dominantes do País.

39.A retomada dos vínculos e do apoio dos setores populares e da maioria das classe trabalhadoras -- em particular dos setores submetidos à terceirização, à uberização e à informalidade, das maiorias exploradas, abandonadas e oprimidas -- passa necessariamente por esse caminho da polarização programática. Sem o que persistirão o desânimo, a desorientação e a fragmentação em amplos setores.

40.Mas é fundamental reconhecer que não basta uma orientação política geral. É preciso um trabalho de organização e mobilização que passe pela compreensão, pela solidariedade e pela luta por melhorar imediatamente as condições concretas de vida das classes trabalhadoras. Nesse terreno das condições concretas, cumprem um papel essencial as dimensões de raça e gênero. Elas têm um peso estruturante, na medida em que condicionam a experiência social dos trabalhadores e trabalhadoras. O caráter genocida do governo Bolsonaro, do neofascismo e do ultraliberalismo recai com mais força sobre a população negra e as mulheres. Não por acaso, o assassinato de Marielle Franco tornou-se um símbolo. Igualmente importante é atentar para as dimensões regional e geracional, que não por acaso têm operado como variáveis destacadas da luta de classes no país pelo menos desde 2010.

41.Se tivermos êxito nas tarefas a que nos propomos, se forjarmos uma frente popular com estes atributos, abriremos caminho não apenas para retornar  ao governo federal, mas também para travar a disputa pelo poder, no bojo da luta pela aplicação efetiva das reformas estruturais acima mencionadas, que inevitavelmente suscitarão resistências. O rechaço às transformações imporá um enfrentamento que combine ação institucional com luta social, e amplas mobilizações das classes trabalhadoras, bem como de outras camadas sociais.  

42.Com a linha correta, ainda que não haja sucesso imediato, as batalhas travadas possibilitarão a retomada futura. No entanto, sem uma orientação política adequada, se renunciarmos a ser uma força independente e portadora de uma alternativa de conjunto, o PT e toda a esquerda podem se converter em linha auxiliar de setores da classe dominante e do golpismo. Nessa hipótese, a derrota, além de arrastar o PT, comprometerá a rica experiência de autoorganização dos setores populares que ele representa.

43.O que está em jogo é o destino do Brasil, mas também o significado estratégico do Partido dos Trabalhadores. Desde 1989 até 2016, o PT polarizou a luta política no Brasil. Desde 2005, e particularmente a partir de 2016, a classe dominante se esforça para destruir o PT ou, pelo menos, impedir que protagonize a disputa de rumos na sociedade brasileira.  

44.Há divergências, dentro do PT e dentro da esquerda brasileira, acerca das políticas adotadas neste período passado, mas nossa preocupação aqui não é com o balanço do passado, mas sim com a formulação de uma política para o presente e para o futuro, em que não caibam a conciliação de classes, a crença ingênua na conduta “republicana” e democrática das elites, a exclusividade ou principalidade das vias institucionais e eleitorais. Mais que nunca, é papel do PT imprimir prioridade à luta social; à organização de base; à formação de quadros; à comunicação social independente; à autossustentação financeira militante; a construção de uma cultura de massas democrática, popular e socialista.

45.Para isso, precisamos de uma linha política que combine uma estratégia e uma tática adequadas para o período histórico atual e que não alimentem ilusões na conciliação com frações das classes dominantes. Podemos e devemos fazer alianças pontuais, toda vez que isso for útil na defesa das liberdades, dos direitos e da soberania. Contudo, é bom ter em conta que a burguesia brasileira tem unidade em seu programa e em seus objetivos estratégicos, que incluem interditar ou mesmo destruir a esquerda. Nenhuma fração das classes dominantes tem disposição em compor uma frente conosco: no máximo, querem nos usar como uma linha auxiliar em suas disputas internas. Diante disso, seria um grave equívoco abdicarmos de nossa identidade política para nos associarmos com forças cujo horizonte máximo é a defesa do oligopólio da mídia e  de instituições que, à exceção de uma minoria de seus integrantes, foram artífices e executoras do golpe de 2016, que culminou com a deposição da presidenta Dilma, com a condenação e prisão de Lula, abrindo caminho para a vitória do bolsonarismo.

46.A independência política deve se materializar também no terreno organizativo: é preciso impedir a anulação das instâncias dirigentes do PT, convertidas algumas vezes em cartórios homologadores de decisões tomadas em outros espaços; que convertem o PT num “partido de retaguarda”; e que nos desvinculam progressivamente dos setores mais jovens, mais oprimidos e explorados das classes trabalhadoras. A esse respeito, nossa tarefa central, política e organizativamente, segue sendo recuperar maioria nas classes trabalhadoras, no conjunto da população explorada, abandonada e oprimida.  

47.Inclusive por isso, o PT deve lutar com todas as suas energias para defender a vida, o emprego e a renda da população. Isso inclui propor soluções concretas e imediatas à crise sanitária, na linha das medidas defendidas pelo Partido, por nossas bancadas parlamentares e implementadas por nossos governos estaduais e municipais. Abarca, também, impedir demissões, redução de salários, cortes nas políticas públicas e, ademais, garantir renda e moradia emergencial para os que estão em situação vulnerável, inclusive a população em situação de rua.  Isso requer, ainda, a solidariedade de classe, através de redes de ajuda mútua e acolhimento que fortaleçam a coesão comunitária para resistência e sobrevivência em momentos de crises e dificuldades. Não uma concepção paternalista da ação caridosa, mas solidariedade de classe, politizada, que saiba demonstrar, para o povo, que as soluções verdadeiras dependem de uma alternativa política. Supõe incorporar em nossa política todos os elementos constitutivos da classe trabalhadora, tais como as questões regionais, de gênero, geracionais e étnicas. Por fim, exige associar a defesa da democracia, da vida, do emprego e da renda da população com a luta pelo fora Bolsonaro, Mourão, seu governo e suas políticas.

48.No Brasil, a única maneira de deter e superar a catástrofe em curso é através do protagonismo da esquerda brasileira, de seus partidos, organizações e movimentos, onde se destacam, entre muitos, a Frente Brasil Popular e a Frente Povo Sem Medo, a Central Única dos Trabalhadores, o Movimento Sem Terra e a União Nacional dos Estudantes. Este protagonismo depende, em boa medida, do que faça ou deixe de fazer o Partido dos Trabalhadores. Se o PT não estiver à altura dessa missão histórica, viveremos uma dupla catástrofe: a catástrofe nacional e a catástrofe do próprio PT.

49.É neste quadro que, ao invés de uma atitude de defesa passiva ou baluartista, afirmamos a necessidade de o PT formular uma nova estratégia, adotar de maneira consequente uma tática de confronto total com a agenda ultraliberal e o governo Bolsonaro. É assim convictos que trabalhamos e batalhamos em todos os terrenos, inclusive nas eleições de 2020, que a direita quer adiar, e nas eleições presidenciais, que defendemos antecipar. Com muita nitidez, somos favoráveis a um programa simultaneamente emergencial e estrutural, um programa de reconstrução nacional em novas bases, que imponha derrotas ao agronegócio, aos monopólios privados, ao capital financeiro e ao imperialismo.  

50.É nessa perspectiva, inclusive, que o PT decidiu, no 6º. Congresso, empunhar como uma de nossas bandeiras “a luta pela convocação de uma Assembleia Nacional Constituinte livre, democrática e soberana, destinada a reorganizar estruturalmente o Estado brasileiro e aprovar reformas que remodelem suas bases socio-econômicas e institucionais dilaceradas pelo governo usurpador.  

A democratização das instituições brasileiras é preâmbulo indispensável  para as demais reformas estruturais”.

51.Orientados por tais diretrizes, seguimos lutando para ampliar a influência do PT nas classes trabalhadoras, para o que se faz necessário revolucionar nossa cultura de atuação e organização partidária, confrontando abertamente com os diferentes projetos de mundo de outras classes sociais. Urge, para tanto, empenho prioritário na organização partidária, na formação ideológica e política da militância, a fim de que possa, vinculada às lutas das classes trabalhadoras, impulsionar sua ação consciente e independente. Coerente com este pensamento, é vital modificar completamente os métodos de direção do PT, para priorizar uma ligação profunda à vida, às lutas e à organização das grandes camadas populares da sociedade brasileira. E atuar, também, para a integração do Brasil na América Latina e Caribe, bandeira que vem sendo levantada pelo Foro de São Paulo desde 1990.

52.Os signatários desta DECLARAÇÃO seguimos lutando para manter o PT como polo da disputa nacional e, assim, cooperar para que a solução da crise favoreça a imensa maioria do povo brasileiro, matando e enterrando o capitalismo e todas as formas de opressão e exploração.  

53.Como bem disse o companheiro Lula, no histórico discurso do 1º.  de Maio de 2020, “o capitalismo está com os dias contados”, e está “nas mãos dos trabalhadores” a tarefa de construir um novo mundo, em que “ninguém explore o trabalho de ninguém, um mundo em que se respeitem as diferenças entre um e outro, um mundo em que todos, absolutamente todos, disponham de ferramentas para se emancipar de qualquer tipo de dominação ou de controle“.

54.Concluímos a elaboração deste texto no mesmo momento (02/06/2020) em que as ruas dos Estados Unidos são tomadas por manifestações que, para além do repúdio ao racismo e à violência policial, são protestos contra a injustiça, a opressão e a exploração que caracterizam o capitalismo. Aqui no Brasil, ao mesmo tempo em que Bolsonaro desfila a cavalo e manifestantes reproduzem rituais da Ku Klux Klan, as ruas voltam a ser ocupadas por manifestações populares em defesa da democracia. O futuro dependerá de batalhas que serão travadas nos próximos dias, semanas e meses. Só a luta deterá a catástrofe.

Viva o socialismo, viva a classe trabalhadora, viva o PT!!!

ASSINAM*

Breno Altman, suplente do DN do PT

Celso Marcondes, jornalista

Damarci Olivi, jornalista

Daniela Mattos, advogada

Jandyra Uehara, direção executiva da CUT  

José Genoíno, ex-presidente nacional do PT

Júlio Quadros, diretório nacional do PT

Maria Carlotto, professora da UFABC

Múcio Magalhães, GTE nacional  

Natalia Sena, executiva nacional do PT

Patrick Araújo, diretório nacional do PT

Rui Falcão, executiva nacional do PT

Valter Pomar, diretório nacional do PT

*para assinar, basta preencher o formulário que está circulando.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email