Exército compra sistema de espionagem e não esclarece os motivos

Ferramenta, cuja compra foi realizada sem licitação, é capaz de extrair dados de sistemas em nuvens e de registros públicos armazenados em redes sociais

www.brasil247.com -
(Foto: ABR | Divulgação)


247 - O Comando de Defesa Cibernética do Exército (ComDCiber) adquiriu uma ferramenta que permite a espionagem de aparelhos celulares por meio da extração de dados de sistemas em nuvens e de registros públicos armazenados em redes sociais como Twitter, Facebook e Instagram. 

De acordo com o jornal Folha de São Paulo, a compra da ferramenta, feita com dispensa de licitação, foi autorizada pelo então comandante do Exército e atual ministro da Defesa, Paulo Sérgio Nogueira. 

A reportagem destaca que apesar da ferramenta ser utilizada pelas Polícias Civis e Federal, além do Instituto Nacional de Criminalística e Ministério Público como forma de acessar dados a partir de autorizações judiciais,”os documentos da contratação feita para a unidade do Exército não especificam quais aparelhos celulares passariam a ser acessados nem qual é o embasamento jurídico para esse tipo de acesso a dados privados”. 

O ComDCiber é chefiado pelo general Heber Garcia Portella, que foi designado pelo Ministério da Defesa – ainda na gestão do general da reserva Walter Braga Netto– para integrar a comissão de transparência das eleições junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Portella é um dos militares alinhados ao discurso bolsonarista que questiona a higidez do sistema eleitoral e a segurança das urnas eletrônicas. Braga Netto será o vice na chapa pela reeleição de Jair Bolsonaro.

Ainda segundo a reportagem, a solução de espionagem escolhida pelo Exército foi a Cellebrite UFED,  que tem a empresa TechBiz Forense Digital como a única fornecedora da ferramenta no Brasil.O contrato da empresa, orçado em R$ 528 mil, foi firmado em 28 de dezembro de 2021 e é válido até 27 de dezembro de 2024.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista: 

 

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email