STF abre inquérito contra deputado Fábio Faria e governador do RN

A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Rosa Weber autorizou abertura de inquérito na corte para investigar o deputado federal Fábio Faria (PSD-RN) e o governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria (PSD), por causa das delações premiadas da JBS; as suspeitas são de corrupção passiva e caixa dois, ou seja, fraude na prestação de contas ao deixar de declarar valores recebidos; o pedido foi feito no fim de junho pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot

A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Rosa Weber autorizou abertura de inquérito na corte para investigar o deputado federal Fábio Faria (PSD-RN) e o governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria (PSD), por causa das delações premiadas da JBS; as suspeitas são de corrupção passiva e caixa dois, ou seja, fraude na prestação de contas ao deixar de declarar valores recebidos; o pedido foi feito no fim de junho pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot
A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Rosa Weber autorizou abertura de inquérito na corte para investigar o deputado federal Fábio Faria (PSD-RN) e o governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria (PSD), por causa das delações premiadas da JBS; as suspeitas são de corrupção passiva e caixa dois, ou seja, fraude na prestação de contas ao deixar de declarar valores recebidos; o pedido foi feito no fim de junho pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot (Foto: Romulo Faro)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247- A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Rosa Weber autorizou abertura de inquérito na corte para investigar o deputado federal Fábio Faria (PSD-RN) e o governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria (PSD), por causa das delações premiadas da JBS.

As suspeitas são de corrupção passiva e caixa dois, ou seja, fraude na prestação de contas ao deixar de declarar valores recebidos, crime previsto no artigo 350 do Código Eleitoral.

O pedido foi feito no fim de junho pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que também solicitou ao ministro Luiz Edson Fachin, responsável pela homologação das delações da JBS, sorteio para novo relator por não ter relação com a Lava Jato. Rosa Weber recebeu o caso em agosto e a decisão de abrir inquérito é do dia 4 de setembro, mas foi publicada no processo somente na quarta-feira (6).

Segundo o pedido, o executivo Ricardo Saud afirmou que Fábio Faria e Robinson Faria receberam doações não declaradas à Justiça Eleitoral. O acordo de Saud passa por revisão em razão da suspeita de que ele omitiu dados na delação premiada, mas, segundo Janot, as provas que ele apresentou são válidas.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247