STF vai definir se Brasil volta a ser uma democracia ou mergulha na ditadura

Nesta terça-feira (25), o Supremo Tribunal Federal terá a chance de se reconectar com a sua missão de defender a Constituição; 2ª Turma deverá julgar o habeas corpus do ex-presidente Lula, que aponta a parcialidade de Sérgio Moro, tornada explícita pelas revelações da Vaza Jato

Grande ato de encerramento da caravana Lula Pelo Brasil no Espírito Santo e Rio de Janeiro na UERJ. 

#LulaPeloBrasil #LulaPeloRiodeJaneiro

Fotos Ricardo Stuckert
Grande ato de encerramento da caravana Lula Pelo Brasil no Espírito Santo e Rio de Janeiro na UERJ. #LulaPeloBrasil #LulaPeloRiodeJaneiro Fotos Ricardo Stuckert (Foto: Ricardo Stuckert)

247 - A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) deverá julgar nesta terça-feira, 25, um habeas corpus que pode libertar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

No início do dia, notícia da jornalista Monica Bergamo anunciava que o julgamento do HC de Lula havia sido adiado para agosto (leia mais no Brasil 247). 

No início da tarde, a defesa do ex-presidente Lula protocolou no STF pedido para que o habeas corpus fosse julgado. Entre os argumentos apresentados pelos advogados de Lula, Cristiano Zanin e Valeska Martins, está o fato de o julgamento do HC já foi iniciado, em dezembro do ano passado, o fato de Lula estar preso já há 443 dias e dele ser um cidadão de 73 anos. Entre outros, estes trÊs aregumentos asseguram o julgamento do HC de Lula sobre outros itens da pauta de julgamentos (leia no Brasil 247). 

Em carta ao amigo e ex-chanceler Celso Amorim, Lula perguntou por que o STF receia em julgar o seu caso. "A pergunta que faço todos os dias aqui onde estou é uma só: por que tanto medo da verdade? A resposta não interessa apenas a mim, mas a todos que esperam por Justiça", questiona.

Diante da repercussão negativa do suposto adiamento, a ministra Cármen Lúcia divulgou no início da noite uma nota para negar que tenha excluído ou incluído algum item na pauta de julgamentos desta terça-feira, 25. A ministra argumentou que ela ainda não é presidente da Turma e não poderia alterar a pauta. E confirmou que haebas corpus de pessoas presas têm preioridade nos ajulgamentos (leia mais no Brasil 247).

Nesta terça-feira, o País e o mundo saberão se o Brasil  voltará a ser uma democracia, que garante direitos aos seus cidadãos, como o de ter um julgamento por um juiz imparcial, ou se entrará de vez em uma ditadura, com presos políticos e um estado de exceção seletivo. A resposta será da da pelo Supremo. 

Conheça a TV 247

Mais de Brasil

Ao vivo na TV 247 Youtube 247