STJ nega recurso de Lula contra condenação no caso triplex

Decisão desta terça-feira (17) da Quinta Turma da Corte manteve pena de 8 anos, 10 meses e 20 dias por corrupção e lavagem de dinheiro contra Lula. Defesa aponta que o STJ não analisou as ilegalidades apontadas contra ele

Lula
Lula (Foto: Felipe L. Gonçalves/Brasil247)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou nesta terça-feira (17) recurso da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva contra a sentença que o condenou a 8 anos, 10 meses e 20 dias de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex do Guarujá. 

Sobre a decisão do STJ desta terça-feira, a defesa do ex-presidente Lula disse que a Quinta Turma da Corte não analisou as ilegalidades apontadas. 

"Em alguns minutos o STJ julgou o recurso que interpusemos em favor do ex-presidente Lula sem efetivamente analisar as inúmeras ilegalidades existentes no processo e a injusta da condenação que foi a ele imposta. Essa situação reforça a necessidade de análise dos recursos e Habeas Corpus que já estão no Supremo Tribunal Federal sobre tais ilegalidades. Lula não praticou qualquer crime e é vítima de lawfare", disse a defesa de Lula, segundo o G1

Os ministros do STJ analisaram embargos de declaração em que a defesa pedia que o processo do triplex fosse anulado, e o ex-presidente, absolvido – ou, ainda, que tivesse a pena reduzida novamente. A defesa apontou uma série de irregularidades no processo e questionou o julgamento do STJ, em abril de 2019.

Inscreva-se na TV 247, seja membro, e compartilhe:

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247