Subprocurador recorre contra prisão domiciliar de Queiroz

De acordo com o subprocurador-geral da República, Roberto Luís Oppermann Thomé, deve ser respeitado o entendimento de que não cabe a concessão de benefício a foragidos da Justiça. STJ, no entanto, concedeu prisão domiciliar a Fabrício Queiroz e à mulher dele, Márcia Aguiar

Roberto Luís Oppermann Thomé e Fabrício Queiroz
Roberto Luís Oppermann Thomé e Fabrício Queiroz (Foto: MPRS | Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O subprocurador-geral da República, Roberto Luís Oppermann Thomé, pediu a derrubada da decisão do presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), João Otávio de Noronha, que concedeu prisão domiciliar a Fabrício Queiroz e à mulher dele, Márcia Aguiar. 

De acordo com o subprocurador, deve ser respeitado o entendimento de que não cabe a concessão de benefício a foragidos da Justiça. Thomé pediu que a prisão seja restabelecida de forma monocrática pelo relator, ministro Félix Fischer, ou que o recurso seja levado para julgamento na Quinta Turma. Os relatos foram publicados no portal G1

O presidente do STJ concedeu prisão domiciliar ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (PSL-SP) no dia 9 de junho e escreveu na decisão que as "condições pessoais" de saúde e idade de Queiroz não recomendam mantê-lo na cadeia durante a pandemia. 

"Não há como negar que as condições pessoais de saúde do paciente F. Q., somadas à sua idade, 54 anos, amoldam-se àquelas que a Recomendação CNJ n. 62/2020 sugerem de não recolhimento a presídio em face da situação extraordinária que a pandemia a todos impõe", escreveu Noronha. 

Queiroz foi preso no dia 18 de junho em Atibaia (SP), onde estava escondido num imóvel que pertence a Frederick Wassef, advogado que defendia Flávio Bolsonaro. O ex-assessor é investigado por envolvimento num esquema de "rachadinha", quando se recolhe parte de salários de funcionários para favorecer terceiros, ou se contrata funcionários fantasmas para lavar dinheiro.

De acordo com relatório do antigo Conselho de Atividades Financeiras (Coaf), Queiroz movimentou R$ 7 milhões de 2014 a 2017.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247