TCU desconfia que não há investigação sobre jornalista Glenn Greenwald

O TCU deu 24 horas para que o ministro da Economia, Paulo Guedes, responda se o Coaf vasculhou as contas do jornalista Glenn Greenwald a pedido da PF, subordinada a outra pasta, da Justiça, chefiada por Sérgio Moro, que vem sendo atingido em cheio pela Vaza Jato

(Foto: Gustavo Bezerra/PT na Câmara)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O Tribunal de Contas da União (TCU) desconfia que não existe investigação contra o jornalista Glenn Greenwald. O órgão deu 24 horas para que o ministro da Economia, Paulo Guedes, responda se o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) vasculhou as contas do norte-americano a pedido da Polícia Federal, subordinada a outra pasta, da Justiça, chefiada pro Sérgio Moro. O Coaf é ligado à pasta da Economia.

Segundo a coluna de Mônica Bergamo, alguns ministros do tribunal entendem que tudo pode não ter passado de um balão de ensaio de autoridades policialescas que gostariam de investigar Greenwald.

Um dos fundadores do site Intercept Brasil, Greenwald vem revelando um concluio entre Sérgio Moro, quando o ministro era juiz, e procuradores do Ministério Público Federal (MPF-PR) no âmbito da Operação Lava Jato. Segundo trocas de diálogos, Moro orientou investigações e sugeriu acréscimos na acusaçõa contra um investigado. 

O ex-juiz também queria um vazamento de dados da delação da Odebrecht na Venezuela para desestabilizar o governo Nicolás Maduro.

Guedes deve responder ao TCU, até porque a relação dele com o tribunal é intensa, pois muitas políticas da pasta passam pelo órgão de controle.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247