Temendo impacto nas urnas, governo quer adiar CPI do MEC para depois das eleições

Com a maioria dos parlamentares favoráveis ao andamento da CPI, o Planalto tenta ganhar apoio político para retardar a instalação da comissão

www.brasil247.com - Flávio Bolsonaro
Flávio Bolsonaro (Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado)


247 - O governo Bolsonaro adiar para depois das eleições a instalação da CPI do MEC, que  pretende investigar a atuação do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro e do gabinete paralelo com pastores lobistas.

O requerimento de instalação da CPI foi apresentado na semana passada com 31 assinaturas, podendo chegar a 33, sendo que o mínimo necessário são 27. A instalação aguarda a leitura do requerimento pelo presidente do Seando, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), que prometeu uma decisão no início desta semana, após reunião com os líderes da Casa.

Inicialmente, o Planalto tentava convencer parlamentares a retirarem suas assinaturas, sem sucesso. A estratégia é tentar retardar a instalação e, com isso, reduzir o impacto da investigação na já debilitada campanha de Bolsonaro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

De acordo com reportagem da Folha, no cenário em que a maioria é favorável ao andamento da CPI, as investigações só devem começar em agosto, depois do recesso do Legislativo. Durante esse período, o Planalto tentará ganhar apoio político para retardar a instalação da comissão.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O senador Flávio Bolsonaro, responsável pela articulação, disse à Folha que vai defender na reunião desta semana que a instalação da CPI aconteça depois das eleições:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“O governo não teme CPI nenhuma. Mas está evidente que essa CPI que querem instalar é eleitoreira, para tentar atingir o governo do presidente Jair Bolsonaro”, afirmou.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email