Temer recua em meta de alfabetização

Michel temer desistiu de alterar a meta de alfabetização no Brasil; o Ministério da Educação de seu governo decidiu reverter a decisão de antecipar o término do ciclo de alfabetização do 3º para o 2º ano do ensino fundamental; avaliação dos alunos, porém, será feita um ano antes do fim desse prazo

Bras�lia - Come�a amanh� (28) a Confer�ncia Nacional de Educa��o (Conae), que vai reunir cerca de 3 mil participantes entre gestores, representantes de movimentos sociais, acad�micos e profissionais da educa��o. Na foto, crian�as em escola de Bras�lia
Bras�lia - Come�a amanh� (28) a Confer�ncia Nacional de Educa��o (Conae), que vai reunir cerca de 3 mil participantes entre gestores, representantes de movimentos sociais, acad�micos e profissionais da educa��o. Na foto, crian�as em escola de Bras�lia (Foto: Giuliana Miranda)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O Ministério da Educação do governo Temer (PMDB) decidiu rever sua decisão de antecipar o término do ciclo de alfabetização do 3º para o 2º ano do ensino fundamental. A avaliação dos alunos, porém, será feita um ano antes do fim desse prazo.

A antecipação do ciclo estava prevista na versão mais recente da nova base nacional curricular, em fase final de preparação e que servirá de referência em escolas públicas e privadas.

O texto enviado em abril pelo ministério ao Conselho Nacional de Educação, órgão que analisa políticas para a área, previa que os alunos fossem alfabetizados até o 2º ano –correspondente à idade de sete anos.

O Plano Nacional de Educação, lei com metas para a área, coloca como parâmetro o 3º ano –equivalente aos oito anos de idade.

No conselho, a proposta do ministério enfrentou resistência. Ao longo de audiências públicas, secretários de Educação municipais reclamaram que, hoje, programas federais, como o Pacto pela Alfabetização na Idade Certa, levam em consideração o limite de oito anos.

As informações são de reportagem de Angela Pinho na Folha de S.Paulo.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247