'Transformar corrupção em crime hediondo é inócuo'

Ex-ministro do STJ, o advogado Gilson Dipp questiona a 'cruzada' de Sérgio Moro contra a corrupção: "Se aumento de pena fosse intimidar, não teríamos mais crimes hediondos. Nenhum. Mas o tráfico aumenta, o homicídio aumenta"; para ele, o problema da impunidade decorre da falta de funcionários na Justiça e no Ministério Público e da baixa qualidade de muitas investigações; sobre a Lava Jato, ele diz ainda que a delação é um instituto legal, mas “tudo que é dito tem de ser investigado e provado”; Dipp é autor de um parecer no qual diz que a delação premiada do doleiro Alberto Youssef é imprestável porque ele já descumpriu um acordo anterior

Ex-ministro do STJ, o advogado Gilson Dipp questiona a 'cruzada' de Sérgio Moro contra a corrupção: "Se aumento de pena fosse intimidar, não teríamos mais crimes hediondos. Nenhum. Mas o tráfico aumenta, o homicídio aumenta"; para ele, o problema da impunidade decorre da falta de funcionários na Justiça e no Ministério Público e da baixa qualidade de muitas investigações; sobre a Lava Jato, ele diz ainda que a delação é um instituto legal, mas “tudo que é dito tem de ser investigado e provado”; Dipp é autor de um parecer no qual diz que a delação premiada do doleiro Alberto Youssef é imprestável porque ele já descumpriu um acordo anterior
Ex-ministro do STJ, o advogado Gilson Dipp questiona a 'cruzada' de Sérgio Moro contra a corrupção: "Se aumento de pena fosse intimidar, não teríamos mais crimes hediondos. Nenhum. Mas o tráfico aumenta, o homicídio aumenta"; para ele, o problema da impunidade decorre da falta de funcionários na Justiça e no Ministério Público e da baixa qualidade de muitas investigações; sobre a Lava Jato, ele diz ainda que a delação é um instituto legal, mas “tudo que é dito tem de ser investigado e provado”; Dipp é autor de um parecer no qual diz que a delação premiada do doleiro Alberto Youssef é imprestável porque ele já descumpriu um acordo anterior (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Após criticar a delação central da operação Lava Jato, o ex-ministro do STJ (Superior Tribunal de Justiça) Gilson Dipp questionou a 'cruzada' do juiz Sérgio Moro contra a corrupção.

Segundo ele, transformar corrupção em crime hediondo ou aumentar a pena é uma medida inócua. "Se aumento de pena fosse intimidar, não teríamos mais crimes hediondos. Nenhum. Mas o tráfico aumenta, o homicídio aumenta", afirma.

Em entrevista na ‘Folha de S. Paulo’, ele afirma que o problema da impunidade no país decorre da falta de funcionários na Justiça e no Ministério Público e da baixa qualidade de muitas investigações.

Autor de um parecer no qual diz que a delação premiada do doleiro Alberto Youssef é imprestável porque ele já descumpriu um acordo anterior, ele afirma ainda que o artificio de investigação é um instituto legal, mas “tudo que é dito tem de ser investigado e provado”.

“Já ouvi que as prisões preventivas foram longas para facilitar acordos de delação. A preocupação deve ser com a qualidade das provas. As operações Satiagraha e Castelo de Areia tinham provas ilícitas”, diz ele sobre a Lava Jato (leia mais).

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247