TRF-1 nega habeas corpus a Milton Ribeiro

O desembargador Moraes da Rocha afirmou que a defesa, por ter apresentado o pedido antes de ter acesso aos autos do processo, não pôde argumentar pela liberação do ex-ministro

www.brasil247.com - Milton Ribeiro
Milton Ribeiro (Foto: Clauber Cleber Caetano/PR)


247 - O Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) negou o pedido de habeas corpus apresentado pela defesa do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro, preso na quarta-feira (22) acusado articular um esquema de propinas dentro da pasta.

O desembargador Moraes da Rocha, responsável pela negativa, não analisou o conteúdo da prisão e nem os argumentos da defesa, segundo a CNN Brasil. 

A defesa do ex-ministro teve acesso aos autos do processo somente nesta quinta-feira (23) e não conseguiu apresentar suas alegações ao TRF-1. O pedido de habeas corpus foi enviado ainda na noite de quarta-feira.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Rocha afirmou que não pode decidir sobre a liberação do ex-ministro sem  ouvir a exposição dos advogados.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O desembargador afirma que um novo pedido de habeas corpus pode ser apresentado agora que a defesa tem os autos em mãos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email