Fotógrafo, sobre a Amazônia: 'vamos extingui-la antes de estudá-la'

O fotógrafo Araquém Alcântara afirma que a Amazônia queima e que é preciso fazer algo para frear esse processo. As imagens chocantes feitas por ele sobre os impactos das queimadas e do desmatamento na região Norte do Brasil, em especial a do tamanduá-mirim fugindo do fogo, já cego, na beira da BR que liga Cuiabá-Santarém, viralizaram nos últimos dias nas redes sociais com mensagens de indignação.

(Foto: Araquém Alcântara | Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Do Brasil de Fato - "A Amazônia sempre queimou, principalmente nos meses secos de agosto e setembro, só que desta vez ela está queimando muito mais", atesta o fotógrafo Araquém Alcântara, com 49 anos de jornalismo e mais de 50 viagens e expedições à floresta amazônica na carreira. Ele acaba de voltar de lá com registros da catástrofe ambiental gerada pelos incêndios dos últimos meses.

"Estou cheio de revolta. É preciso elevar o tom", declarou através das redes sociais, questionando, entre outros temas, a postura do presidente Jair Bolsonaro (PSL) de abrir mão dos recursos do Fundo Amazônia. "A intensificação do desmatamento é real, é coisa objetiva feita por satélites. E o cara diz que os dados não são reais, que não precisamos de dinheiro estrangeiro. Desmatamento livre é o que quer", questionou.

As imagens chocantes feitas pelo fotógrafo sobre os impactos das queimadas e do desmatamento na região Norte do Brasil, em especial a do tamanduá-mirim fugindo do fogo, já cego, na beira da BR que liga Cuiabá-Santarém, viralizaram nos últimos dias nas redes sociais com mensagens de indignação. 

A relação do fotógrafo com a maior floresta do mundo é de quatro décadas. Em 2005, um dos quatro livros que fez sobre a Amazônia recebeu o prêmio Jabuti de literatura. Ao todo, Araquém Alcântara já produziu 54 livros, mas o seu tema preferido é a Amazônia, onde afirma estar sua "matriz criativa" e onde passa a maior parte do tempo.

As notícias dando conta das queimadas na região confirmam a avaliação do fotógrafo sobre a degradação da natureza provocada pelo homem. “Nunca foi tão alarmante".

Confira a entrevista exclusiva concedida por Araquém ao Brasil de Fato:

Brasil de Fato: Quando você foi para a Amazônia pela primeira vez?

Araquém Alcântara: Foi em 1980. De lá para cá, eu publiquei quatro livros, fiz a primeira edição para colecionador da National Geographic, fui o primeiro fotógrafo a documentar todos os parques nacionais da Amazônia. Eu sou uma testemunha ocular da Amazônia. 

E qual a sua visão dela hoje?

Vejo como um assunto muito além de qualquer partido, de qualquer ideologia. É um assunto mundial, um assunto global. É uma questão de sobrevivência da humanidade. Então o brasileiro tem que defender a maior floresta da terra.

As queimadas então são um problema político?

Não me interessa falar desse ou daquele governo. Entra governo e sai governo e a Amazônia continua sendo dizimada fruto de nossa ganância, do lucro fácil, da falta de patriotismo. Não é questão de um governo. É de todos. Vem desde antes da ditadura. Todos são responsáveis por este estado crítico da Amazônia.

O que você observou de mais impactante agora na Amazônia?

Quando se destrói uma área muito grande, você está acabando com os corredores ecológicos, com a fauna. Alguns bichos como a harpia, o gavião real, o iraçu, a onça pintada, a jaguatirica, os felinos em geral, precisam de áreas muito grandes e então [com o desmatamento que reduz o tamanho da floresta] elas estão condenadas à extinção.

Araquém: "Os dados sobre desmatamento são verdadeiros porque são fornecidos por satélites e não são manipulados. É um órgão científico, não tem nada a ver com ONGs" (Foto: Araquém Alcântara) 

O que o mais o país perde com a degradação da Amazônia?

O Brasil não conhece os benefícios e as riquezas da Amazônia. Ela sequer foi estudada e a gente já tá extinguindo antes de estudá-la. 

As queimadas são um fenômeno atípico da região?

A Amazônia sempre queimou, principalmente nos meses secos de agosto e setembro, só que desta vez ela está queimando muito mais.

E quais são os efeitos disso?

Araquém Alcântara: A floresta já entrou em um estado de saturação, de produzir menos chuvas. Isso vai afetar o clima na região Sudeste, vai afetar a agricultura no Centro-Oeste. A gente já devia estar há muito tempo eliminando o desmatamento. E, ao contrário, está aumentando mais. O Estado deveria intervir. 

Quais são os seus próximos projetos para este material sobre a Amazônia?

Eu vou fazer um documentário, um livro e uma exposição sobre a Amazônia. Estou completando cinquenta anos de carreira e daqui a um mês vai sair um livro novo, o de número 55, chamado “Brasileiros” que são retratos de pessoas de várias regiões do Brasil.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247