‘Vamos fechar as escolas do MST’, diz secretário de Assuntos Fundiários

O secretário Especial de Assuntos Fundiários, Luiz Antônio Nabhan Garcia, afirma que não haverá nenhum tipo de negociação entre o governo e o MST. Em entrevista para à revista Veja, Garcia declarou que considera o movimento dos sem-terra "uma organização ilegal" e que não apenas irá operar contra as ocupações, mas também tem a intenção de fechar as escolas do movimento. "Não dá para admitir escolas de marxistas, de leninistas, de bolivarianos, que ensinam crianças a invadir e cometer crimes. Vamos fechar as escolas e punir os responsáveis pela doutrinação", disse Nabhan Garcia. 

‘Vamos fechar as escolas do MST’, diz secretário de Assuntos Fundiários
‘Vamos fechar as escolas do MST’, diz secretário de Assuntos Fundiários (Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O secretário Especial de Assuntos Fundiários, Luiz Antônio Nabhan Garcia, afirma que não haverá nenhum tipo de negociação entre o governo e o MST. Em entrevista para à revista Veja, Garcia declarou que considera o movimento dos sem-terra "uma organização ilegal" e que não apenas irá operar contra as ocupações, mas também tem a intenção de fechar as escolas do movimento. "Não dá para admitir escolas de marxistas, de leninistas, de bolivarianos, que ensinam crianças a invadir e cometer crimes. Vamos fechar as escolas e punir os responsáveis pela doutrinação", disse Nabhan Garcia. 

O secretário ainda disse - conforme atesta o jornal O Estado de S. Paulo: "eles não estão qualificados para criar escola nenhuma. Usam de associações, de subterfúgios, para ensinar princípios de ditaduras tiranas, como são os casos de Cuba, Venezuela, Nicarágua (...) Este é o recado que recebi do presidente da República: estarei em sérios problemas se receber os foras da lei do MST, que não têm nem personalidade jurídica."

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247