Vice-governador do Mato Grosso, Otaviano Pivetta, espanca a mulher durante as férias

Empresário milionário, ele pagou fiança para não ser preso e tenta abafar o caso que acabou explodindo nas redes sociais

www.brasil247.com - Otaviano Pivetta e Viviane Cristina Kawamoto
Otaviano Pivetta e Viviane Cristina Kawamoto (Foto: Reprodução)


Por Ricardo Noblat, no portal Metrópoles- Em 2014, a revista Forbes publicou a lista dos cinco políticos mais ricos do país – e o gaúcho Otaviano Pivetta, então prefeito de Lucas do Rio Verde, no Mato Grosso, era o quarto, à frente de Paulo Maluf, ex-governador de São Paulo. Seu patrimônio líquido: 100 milhões de dólares. Origem de sua fortuna: o agronegócio.

No último dia 7, Pivetta, 62 anos de idade, vice-governador do Mato Grosso, atualmente sem partido, pai de seis filhos e avô de quatro netos, foi denunciado pela mulher, a advogada Viviane Cristina Kawamoto com quem é casado desde 2019, de tê-la espancado na casa que tem em Itapema, litoral de Santa Catarina.

Divulgado ontem, um laudo de corpo de delito feito pelo Corpo de Bombeiros de Itapema comprovou a agressão sofrida por Viviane. Pivetta foi indiciado por crime de lesão corporal leve e responderá à ação no Fórum Criminal do município catarinense. A Justiça já abriu prazo para que o Ministério Público se manifeste.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O laudo apontou escoriações e hematomas na testa, braços e coxas de Viviane que, depois da surra, acionou a polícia duas vezes. Na primeira, tão logo foi atendida, desligou o telefone sem nada falar. Na segunda, informou que fora agredida pelo marido. Policiais foram buscar o casal e o levaram para uma delegacia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Pivetta negou que tivesse batido na mulher. Afirmou que ela se feriu ao morder uma de suas mãos. A todo o momento dizia aos policiais que era vice-governador do Mato Grosso e que não poderia ser preso. Uma vez detido, pagou uma fiança de R$ 6,6 mil e foi embora da delegacia na madrugada do dia seguinte.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A partir daí usou o peso político do seu cargo e valeu-se de sua fortuna para impedir que o caso repercutisse no Mato Grosso. Contou para isso com a ajuda do governador Mauro Mendes (DEM), candidato à reeleição no próximo ano, que pretende mantê-lo como vice em sua chapa; e também de outros políticos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email