Villas Bôas confirma que prisão de Lula foi também uma ordem dos militares ao STF

Em livro, o general que postou mensagens ameaçando os ministros do Supremo na véspera do julgamento que poderia libertar Lula em 2018 revela que o recado foi articulado junto do Alto Comando do Exército. Um dos motivos era o aumento de pedidos de intervenção militar por empresários e ‘pessoas da sociedade’

Ex-comandante do Exército, General-de-Exército Eduardo Villas Bôas
Ex-comandante do Exército, General-de-Exército Eduardo Villas Bôas (Foto: Marcos Corrêa/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Comandante do Exército nos governos Dilma Rousseff e Michel Temer, o general Eduardo Villas Bôas revelou o que seria o componente militar do golpe de 2016. As declarações fazem parte do livro “General Villas Bôas: conversa com o comandante”, recém-lançado pela Editora FGV, a partir de depoimentos concedidos pelo general.

Segundo o militar, as mensagens postadas por ele via Twitter em 2018 na véspera do julgamento do Supremo Tribunal Federal que poderia soltar o ex-presidente Lula foram articuladas e “rascunhadas” em conjunto com o Alto Comando da instituição.

"O texto teve um 'rascunho' elaborado pelo meu staff e pelos integrantes do Alto Comando residentes em Brasília. No dia seguinte da expedição, remetemos para os comandantes militares de área. Recebidas as sugestões, elaboramos o texto final, o que nos tomou todo expediente, até por volta das 20 horas, momento que liberei para o CComSEx (Setor de comunicação do Exército) para expedição", descreveu, segundo reportagem do Globo.

PUBLICIDADE

A entrevista foi concedida ao longo de cinco dias entre agosto e setembro de 2019, tem mais de 13 horas de duração e foi comandada pelo professor e pesquisador Celso de Castro. Nela, Villas Bôas afirma que dois motivos principais moveram o Alto Comando do Exército a adotar a ofensiva. 

Uma delas foi o aumento de pedidos por intervenção militar por parte de empresários e pessoas da sociedade civil. Em sua versão, as mensagens tiveram o objetivo de conter uma possível convulsão social. 

PUBLICIDADE

À época, em abril de 2018, Villas Bôas tuitou: 

“Asseguro à Nação que o Exército Brasileiro julga compartilhar o anseio de todos os cidadãos de bem de repúdio à impunidade e de respeito à Constituição, à paz social e à Democracia, bem como se mantém atento às suas missões institucionais. Nessa situação que vive o Brasil, resta perguntar às instituições e ao povo quem realmente está pensando no bem do País e das gerações futuras e quem está preocupado apenas com interesses pessoais?”.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE

Apoie o 247

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email