"Viramos a república do leite condensado", diz Wadih Damous

"Chicletes e leite condensado não configuram interesse público", afirma o político

www.brasil247.com -
(Foto: Ederson Casartelli/Brasil247)


247 – "Viramos a república do leite condensado. É verdade que temos de distinguir as coisas. As compras foram para órgãos do governo e não para a despensa de Bolsonaro. Mas a quantidade de itens supérfluos é estarrecedora. Chicletes e leite condensado não configuram interesse público", postou o ex-deputado Wadih Damous, sobre as compras superfaturadas de chicletes e leite condensado feitas pelo governo Bolsonaro. Inscreva-se na TV 247 e saiba mais sobre o caso:


Sputnik – Após reportagem que denunciou que o total das despesas do governo federal brasileiro com alimentos soma mais de R$ 1,8 bilhão em 2020, o Tribunal de Contas da União (TCU) foi acionado por diversos parlamentares.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A denúncia de que órgãos do governo federal gastaram mais de R$ 15 milhões com leite condensado em 2020 virou motivo de piada, mas também pode gerar uma investigação no Tribunal de Contas da União.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo reportagem do site Metrópoles, o gasto global do Executivo federal com alimentos e bebidas registrou um aumento de 20% em relação a 2019. Neste total estão ainda despesas de cerca de R$ 2,2 milhões com chicletes e R$ 32,7 milhões com pizza e refrigerante, por exemplo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em documento protocolado no TCU, o senador Alessandro Vieira e os deputados federais Tabata Amaral e Felipe Rigoni argumentam que o aumento das despesas fere o princípio da moralidade administrativa.

"Em meio a uma grave crise econômica e sanitária, o aumento de gastos é absolutamente preocupante, tanto pelo acréscimo de despesas como pelo caráter supérfluo de muitos dos gêneros alimentícios mencionados", diz um trecho da representação.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Representantes do PSOL, o deputado David Miranda e as deputadas Fernanda Melchionna, Sâmia Bomfim e Vivi Reis protocolaram uma ação para que o procurador-geral da República, Augusto Aras, abra investigação sobre os gastos de R$ 1,8 bilhão, escreve o Estado de São Paulo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email