Viúva perde administração dos bens de desembargador

O TJ-SP retirou os bens deixados pelo desembargador Viana Santos da tutela de sua mulher, a advogada Maria Luiza Viana Santos; na ao de partilha, filhos do desembargador acusam a viva de administrar o patrimnio como se fosse sua propriedade exclusiva

Viúva perde administração dos bens de desembargador
Viúva perde administração dos bens de desembargador (Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Fernando Porfírio _247 - O Tribunal de Justiça de São Paulo retirou da advogada Maria Luiza Pereira Viana Santos o poder de administrar todos os bens deixados pelo marido, o desembargador Antonio Carlos Viana Santos, ex-presidente da corte paulista. Viana morreu em 26 de janeiro do ano passado, aos 68 anos, em pleno exercício do cargo.

O tribunal também não reconheceu a advogada como viúva meeira na ação de inventário e confirmou uma das filhas de Viana Santos como administradora dos bens deixados pelo pai. A decisão, por votação unânime, foi tomada, nesta quinta-feira (3), pela 7ª Câmara de Direito Privado. O julgamento é assinado pelos desembargadores Luiz Antonio Costa (relator), Miguel Brandi (revisor) e Walter Barone (3º juiz).

Viana Santos foi casado por quatro vezes, tendo a última união, com Maria Luiza, ocorrido em 3 de outubro de 2009. Na época, a advogada tinha 37 anos. Pelo fato de Viana Santos contar com mais de 60 anos, o casamento foi contrato pelo regime de separação total de bens, como disciplina o Código Civil.

Na ação de partilha de bens, filhos de Vianna Santos acusam Maria Luiza de administrar o patrimônio do morto como se fosse sua propriedade exclusiva. Sustentam que a advogada apoderou-se de bens que não lhe pertence e temem a dilapidação do patrimônio que seria do espólio.

Entre outros itens do espólio, a família aponta um imóvel, nos Jardins, na Rua José Maria Lisboa, avaliado em mais de R$ 2 milhões. Foi nesse apartamento que Viana foi encontrado morto, vítima provável de enfarte agudo do miocárdio. A polícia investiga a morte. Depoimentos indicam graves desavenças familiares.

No recurso julgado pelo Tribunal de Justiça, no qual requisitou a condição de viúva meeira e a administração de bens deixados pelo marido, Maria Luiza fundamentou o pleito com base na súmula 337 do Supremo Tribunal Federal (STF). A turma julgadora, no entanto, entendeu que a advogada “não gozava de legitimidade” para figurar no inventario como viúva meeira.

Segundo o desembargador Luiz Antonio da Costa, relator do recurso, a advogada não pode pleitear a condição de herdeira da metade dos bens do marido, pois o casamento foi realizada pelo regime de separação total de bens e o desembargador deixou três filhos, como legítimos herdeiros.

Na decisão, a corte paulista ainda determinou que todos os bens e aplicações financeiras, em nome do desembargador, fiquem depositados no processo, que tem como inventariante um dos herdeiros de Viana Santos, a filha Tatiana Pereira Viana Santos, que é juíza na cidade de São José do Rio Preto.

Entre os bens confiscados estão um apartamento de 509,48 metros quadrados e três vagas de garagem, localizado no quarto andar do Edifício Marc Chegall, na rua José Maria Lisboa, 1323, nos Jardins. A relação também inclui um veículo Porsche, modelo Cayenne preto, ano 2010-2011, de placas EBM-7373.

O carro de luxo, avaliado em R$ 340.808,00 mil foi comprado em 16 de dezembro de 2010. Em 7 de janeiro de 2011, Vianna transferiu o veículo para sua mulher, Maria Luiza Pereira Vianna Santos.

Ainda consta dos bens bloqueados, que devem ser administrados pela inventariante, uma Mercedes Benz, modelo C200 K, avaliada no valor de R$ 103.990,00. A corte paulista ainda determinou a transferência de valores depositados em conta corrente e aplicações financeiras em nome do desembargador morto para a conta do inventário.

Os filhos de Viana Santos também requisitaram o controle de bens deixados pelos avós (Jayme dos Santos e Julieta Vianna dos Santos) que estão sendo discutidos em outro inventário que tramita em uma das varas de Famílika e Sucessões de Santo Amaro. O pedido foi atendido.

A corte paulista negou o pedido da viúva para levantar R$ 18.904,72, bloqueado por decisão judicial. O valor, de acordo com a mulher do desembargador, seria referente ao salário de Viana Santos, de janeiro de 2011.

Maria Luiza também pediu a devolução de R$ 5.790,01, relativo ao pagamento de “folha suplementar sobre a rubrica indenização de férias”. O pedido também foi indeferido. O argumento foi o de que por se tratar de verba já paga, deveria ficar no inventário. As duas reclamações foram indeferidas.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247