Weintraub disse à PF que China, maior parceiro do Brasil, é ditadura genocida

Em depoimento por escrito no inquérito em que é investigado por racismo, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, atacou o Partido Comunista da China e afirmou que o país que é o maior parceiro comercial e maior investidor externo do Brasil é uma ditadura que pratica genocídio

Bandeira da China e Abraham Weintraub
Bandeira da China e Abraham Weintraub (Foto: Reuters | Alessandro Dantas)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em depoimento por escrito no inquérito em que é investigado por racismo, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, reafirmou ataques à China, insistindo na tese, de fundo anticomunista, de que o país asiático é uma "ditadura comunista que despreza os princípios que regem uma democracia liberal". 

Ingerindo nos assuntos internos da China, Weintraub fez críticas ao sistema político: "O que quer que o PCC (Partido Comunista Chinês) faça não pode ser tido como expressão da vontade popular chinesa, uma ditadura comunista de partido único que despreza os princípios que regem uma democracia liberal e o Estado de Direito, campeã de violações aos direitos humanos, o que inclui até mesmo genocídio em décadas passadas”, escreveu Weintraub. O depoimento foi obtido pelo Estadão.

O ministro da Educação, de extrema direita, é investigado por racismo após publicar um tuíte em que insinuou que a China vai sair ‘fortalecida da crise causada pelo coronavírus, apoiada por seus ‘aliados no Brasil’. 

No depoimento, Weintraub não respondeu às perguntas dos policiais, entregando uma declaração por escrito. 

O pedido de investigação partiu do vice-procurador-geral da República, Humberto Jacques de Medeiros ao observar que Weintraub "teria veiculado e posteriormente apagado manifestação depreciativa, com a utilização de elementos alusivos à procedência do povo chinês, no perfil que mantém na rede social Twitter".

Após a manifestação de Weintraub pelo Twitter, a Embaixada da China no Brasil repudiou sua publicação. “Deliberadamente elaboradas, tais declarações são completamente absurdas e desprezíveis, que têm cunho fortemente racista e objetivos indizíveis, tendo causado influências negativas no desenvolvimento saudável das relações bilaterais China-Brasil”, diz a nota divulgada no Twitter da Embaixada. O comunicado afirma ainda que “o lado chinês manifesta forte indignação e repúdio a esse tipo de atitude”.

A China é o maior parceiro comercial do Brasil e o maior investidor externo no país. As declarações de Weintraub podem acarretar consequências prejudiciais à economia nacional e ter como consequência até mesmo instabilidade no plano geopolítico.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247