Weintraub ignora decisão judicial e diz nas redes sociais que "vai ter Enem"

Postagem do ministro da Educação, Abraham Weintraub, foi feita um dia após a Justiça Federal de São Paulo determinar o adiamento do Enem devido ao avanço da pandemia provocada pelo novo coronavírus

Abraham Weintraub
Abraham Weintraub (Foto: Lula Marques)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ministro da Educação, Abraham Weintraub, ignorou a decisão da Justiça Federal de São Paulo e usou as redes sociais para afirmar que “vai ter Enem”. Postagem de Weintraub foi feita neste sábado (18), um dia após a Justiça determinar o adiamento do Exame Nacional do Ensino Médio devido ao avanço da pandemia provocada pelo novo coronavírus. 

“O BRASIL NÃO PODE PARAR! Mais de 3.200.000 de brasileiros solicitaram isenção na taxa do Enem 2020 (para não pagar para fazer o exame). 70% fez o pedido pelo celular (smartphone). Mais de 2.100.000 dos pedidos já foram analisados e concedidos! VAI TER ENEM!”, postou Weintraub no Twitter. 

A primeira etapa do Enem, feita por meio digital, estava marcada para acontecer nos dias 11 e 18 de outubro. Já as provas físicas deveriam acontecer nos dias 1 e 8 de novembro. Caso a decisão judicial seja cumprida, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsável pela realização do exame, terá que remarcar as datas previstas. 

Além do adiamento das datas das provas, a determinação judicial também ampliou em 15 dias a solicitação de isenção da taxa de inscrição. 

Confira a postagem de Abraham Weintraub sobre o assunto. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247