Weintraub pede mais dinheiro ao governo e comete novo erro de português: 'paralização'

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, diz que a peça orçamentária de 2020 impossibilita recursos para as universidades. Ele diz: “com isso, haverá a paralização (sic) de cursos, campi e possivelmente instituições inteiras”, completa, errando a ortografia de palavra 'paralisação'.

Ministro da Educação Abraham Weintraub.
Ministro da Educação Abraham Weintraub. (Foto: Abraham Weintraub)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Os orçamentos de todos os ministérios do governo Bolsonaro estão comprometidos para 2020. O ministro da Educação, Abraham Weintraub, diz que a peça orçamentária de 2020 impossibilita recursos para as universidades. Ele diz: "com isso, haverá a paralização (sic) de cursos, campi e possivelmente instituições inteiras”, completa, errando a ortografia de palavra 'paralisação'.

"O referencial monetário apresentado ao MEC impossibilita a destinação de menos da metade do orçamento que as universidades e institutos possuem atualmente. Com isso, haverá a paralização (sic) de cursos, campi e possivelmente instituições inteiras, comprometendo a educação superior e a educação profissional e tecnológica (EPT)", afirma o ministro na página 6.  

A reportagem do jornal O Estado de S. Paulo ainda destaca que "o ministro mostra preocupação com temas caros ao governo Bolsonaro, como ampliação do número de escolas cívico-militares. Ainda afirma que há risco de “recepção desfavorável na sociedade em geral e na imprensa” se forem suspensas bolsas de estudo no País e exterior.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email