Zanin: sem provas, depoimento de Lula serviu para abastecer imprensa

O advogado Cristiano Zanin Martins, que defende o ex-presidente Lula, afirmou nesta quinta-feira, 14, que o segundo depoimento de Lula ao juiz Sérgio Moro em Curitiba foi marcado por "perguntas periféricas"; ele diz que o Ministério Público não consegue demonstrar que os oito contratos firmados pela Petrobras com consórcios que envolvem a Odebrecht serviram de alguma forma para beneficiar o ex-presidente Lula; "Esta prova não existe. Ela não foi feita pelo Ministério Público", disse o advogado; "Essas discussões periféricas só têm por objetivo lançar manchets nos jornais, promover discussões com o intuito de deslegitimar o ex-presidente Lula, que é uma atuação típica do lawfare que nós sempre afirmamos", disse Zanin 

O advogado Cristiano Zanin Martins, que defende o ex-presidente Lula, afirmou nesta quinta-feira, 14, que o segundo depoimento de Lula ao juiz Sérgio Moro em Curitiba foi marcado por "perguntas periféricas"; ele diz que o Ministério Público não consegue demonstrar que os oito contratos firmados pela Petrobras com consórcios que envolvem a Odebrecht serviram de alguma forma para beneficiar o ex-presidente Lula; "Esta prova não existe. Ela não foi feita pelo Ministério Público", disse o advogado; "Essas discussões periféricas só têm por objetivo lançar manchets nos jornais, promover discussões com o intuito de deslegitimar o ex-presidente Lula, que é uma atuação típica do lawfare que nós sempre afirmamos", disse Zanin 
O advogado Cristiano Zanin Martins, que defende o ex-presidente Lula, afirmou nesta quinta-feira, 14, que o segundo depoimento de Lula ao juiz Sérgio Moro em Curitiba foi marcado por "perguntas periféricas"; ele diz que o Ministério Público não consegue demonstrar que os oito contratos firmados pela Petrobras com consórcios que envolvem a Odebrecht serviram de alguma forma para beneficiar o ex-presidente Lula; "Esta prova não existe. Ela não foi feita pelo Ministério Público", disse o advogado; "Essas discussões periféricas só têm por objetivo lançar manchets nos jornais, promover discussões com o intuito de deslegitimar o ex-presidente Lula, que é uma atuação típica do lawfare que nós sempre afirmamos", disse Zanin  (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O advogado Cristiano Zanin Martins, que defende o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, afirmou nesta quinta-feira, 14, que o segundo depoimento de Lula ao juiz Sérgio Moro em Curitiba foi marcado por "perguntas periféricas". 

Em vídeo publicado em seu Facebook, Zanin lembra que a questão desta ação penal contra Lula diz respeito a oito contratos firmados pela Petrobras com consórcios que envolvem a Odebrecht. Segundo o Ministério Público Federal, esses contrato teriam gerado valores indevidos que teriam sido utilizados na compra de dois imóveis, um que seria sede do Instituto Lula e o apartamento vizinho ao que mora o ex-presidente em São Bernardo do Campo. 

"Portanto, para qualquer discussão em torno da legalidade relativa à compra dos imóveis, é preciso que haja a demonstração de que qualquer valor proveniente desses oito contratos firmados pela Petrobras serviram de alguma forma para beneficiar o ex-presidente Lula. No entanto, esta prova não existe. Ela não foi feita pelo Ministério Público", disse o advogado. 

Cristiano Zanin afirma também que pediu ao juiz Sérgio Moro a realização de uma perícia nos contratos, mas o pedido foi negado. "Evidente que ela foi negada que tanto o juiz quanto o Ministério Público sabem que nenhum valor proveniente desses contratos da Petrobras foram dirigidos, direta ou indiretamente, ao ex-presidente Lula", afirmou. 

"Essas discussões periféricas só têm por objetivo lançar manchetes nos jornais, promover discussões com o intuito de deslegitimar o ex-presidente Lula, que é uma atuação típica do lawfare que nós sempre afirmamos", disse Zanin. 

Assista ao vídeo acima. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247