Anvisa nega pedido de importação da vacina Sputnik V

Seguido pelos demais diretores da Anvisa, o relator Alex Machado Campos classificou a situação atual da vacina russa contra a Covid-19 como um "mar de incertezas" e diz que dados apurados apontam um cenário de riscos "impressionante"

www.brasil247.com -
(Foto: Agustin Marcarian/Reuters)


Metrópoles - Em reunião extraordinária da diretoria colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) realizada na noite desta segunda (26), a agência negou a importação, em caráter excepcional e temporário, da vacina russa Sputnik V.

A autorização excepcional e temporária para importação foi pedida pelos estados da Bahia, Acre, Rio Grande do Norte, Maranhão, Mato Grosso, Piauí, Ceará, Sergipe, Pernambuco e Rondônia. Esta liberação permite que os imunizantes sejam comprados, distribuídos e aplicados na população.

De acordo com a Lei nº 14.124, nesta modalidade, o solicitante que não enviou um relatório técnico da avaliação da vacina para o pedido de uso emergencial terá o processo analisado pela Anvisa em até 30 dias. No caso da Sputnik, a agência entrou com um pedido de extensão de prazo junto ao Supremo Tribunal Federal, que foi negado pelo ministro Ricardo Lewandowski.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O voto do relator, Alex Machado, foi acompanhado pelo dos diretores Romison Mota, Cristiane Jourdan Gomes, Meiruze Freitas e Antonio Barra Torres, negando a aprovação da importação por unanimidade. A deliberação foi feita com os documentos disponíveis até hoje, e pode ser revista com a inclusão de novas informações.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Continue lendo no Metrópoles

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email