Bolsonaro produz enxurrada de mentiras ao anunciar que está contaminado. Agências checaram declarações

Afirmações erradas, palpites grosseiros e apostas fracassadas. As declarações de Bolsonaro sobre sua doença e sobre o tratamento foram uma rara coletânea de chutes. A fala sobre a hidroxicloroquina foi o destaque, uma vez que nada do que Bolsonaro disse sobre a droga foi sequer comprovado

Paciente com coronavírus em hospital em São Paulo e Jair Bolsonaro
Paciente com coronavírus em hospital em São Paulo e Jair Bolsonaro (Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Ao anunciar a própria infecção por covid-19, Bolsonaro produziu a maior sequência até aqui de afirmações equivocadas e mentirosas sobre a pandemia e sobre as drogas que poderiam ser usadas para tratamento. 

A reportagem do jornal Folha de S. Paulo fez uma compilação com as declarações de Bolsonaro com as devidas checagens das agências fact-checking. 

Veja abaixo a checagem de duas falas de Bolsonaro:

“Se não tivesse feito o exame e tivesse tomado a hidroxicloroquina como preventivo, como muita gente faz, eu estaria trabalhando até...obviamente poderia estar contaminando gente, essa foi a minha preocupação de buscar fazer o exame na própria segunda feira para evitar o contágio de terceiros.”

De acordo com um dos maiores estudos sobre a eficácia do uso de hidroxicloroquina, não é possível afirmar que o fármaco impede o agravamento do quadro clínico de qualquer pessoa infectada pelo novo coronavírus. Também não há indícios até o momento que indiquem que a cloroquina possa impedir a transmissão do vírus entre pessoas.

"Dados os sintomas, a equipe médica resolveu aplicar hidroxicloroquina. Tomei ontem, por volta das 17h o primeiro comprimido e também azitromicina. Confesso que, como acordo muito durante a noite, depois da meia-noite consegui sentir alguma melhor. Às 5h da manhã tomei a segunda dose da cloroquina e confesso que estou perfeitamente bem."

A combinação de hidroxicloroquina e azitromicina é contraindicada por autoridades de saúde americanas por causa de sua potencial toxicidade. A recomendação foi elaborada por um painel de especialistas com representantes de pelos menos 13 entidades, como agências governamentais (entre elas a agência que regula remédios, a FDA ,e o Centro de Controle de Doenças, o CDC) e associações médicas americanas.”

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email