Brasil ultrapassa marca de 108 mil mortes por Covid-19

O Brasil registrou mais 684 mortes pelo novo coronavírus em um período de 24 horas, elevando o número total para 108.536

(Foto: Amanda Perobelli - REUTERS)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

(ANSA) - O Brasil registrou mais 684 mortes pelo novo coronavírus Sars-CoV-2 em um período de 24 horas, elevando o número total para 108.536, informou o levantamento do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) nesta segunda-feira (17).

A taxa de letalidade caiu para 3,2%, enquanto o índice de mortalidade é de 51,6 pessoas por 100 mil habitantes.

Segundo o balanço, existem 3.359.570 casos da Covid-19 em todo território brasileiro, um acréscimo de 19.373 novos contágios entre ontem e hoje. Ainda conforme o Conass, a taxa de incidência continua crescendo, com 1.598,7 pessoas por cada 100 mil cidadãos.

O estado de São Paulo continua sendo o epicentro da doença no Brasil registrando 26.899 mortos desde o início da pandemia. Ao todo, 702.665 pessoas já se contaminaram com a Covid-19.

No ranking de estados mais atingidos pela pandemia, a Bahia se mantém em segundo lugar com mais contaminados (217.115). O Ceará aparece em terceiro no número de óbitos, com 8.163, e na quantidade de casos (194.651), enquanto o Rio de Janeiro é o quarto nas infecções (194.651) e o segundo em falecimentos (14.566).

Já a média móvel de casos em sete dias é de 43.157 e a de morte, 969. Atualmente, o Brasil é o segundo país mais atingido pela Covid-19, atrás apenas dos Estados Unidos, segundo dados da Universidade Johns Hopkins.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247