Queiroga abre consulta pública sobre vacinação infantil após se reunir com Capitã Cloroquina

Entre os participantes da reunião estava a secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Mayra Pinheiro, conhecida como Capitã Cloroquina

www.brasil247.com - Mayra Pinheiro e Marcelo Queiroga
Mayra Pinheiro e Marcelo Queiroga (Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado | Jefferson Rudy/Agência Senado)


247 - Secretários do Ministério da Saúde realizaram uma reunião na última terça-feira (21) com conhecidas figuras negacionistas e contrárias à vacinação contra a Covid-19 para discutir a consulta pública sobre a imunização de crianças a partir de cinco anos que será aberta nesta quinta-feira (23).

 A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) já liberou o uso de vacinas da Pfizer para essa faixa etária e o Supremo Tribunal Federal (STF) determinou prazo para que o governo federal se posicione sobre o assunto. Jair Bolsonaro e integrantes do primeiro escalão do governo, incluindo o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, porém, tem se posicionado de forma contrária à imunização de crianças e adolescentes. 

De acordo com o Metrópoles, participaram da reunião pelo lado do governo Mayra Pinheiro, que ficou conhecida como Capitã Cloroquina em função da sua defesa de remédios sem eficácia científica comprovada, como a cloroquina e hidroxicloroquina, e o médico olavista Hélio Angotti Neto. Mayra e Angotti tiveram seus pedidos de indiciamento sugeridos pela CPI da Covid em outubro pelos crimes de “epidemia com resultado morte, prevaricação e crime contra a humanidade” e “epidemia com resultado morte e incitação ao crime”, respectivamente

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Além deles, participaram como convidados Bruno Campello de Souza e Ellen Guimarães, que integraram a comitiva do governo federal que viajou à Manaus em janeiro e que indicou remédios e procedimentos sem eficácia contra a Covid-19, em meio a uma crise de falta de oxigênio hospitalar que matou milhares de pessoas por sufocamento. Outros participantes do encontro foram Roberta Lacerda de Miranda e Edmilson de Carvalho, doque assinaram um documento enviado à Anvisa defendendo a não vacinação de crianças e adolescentes, clamando pela não liberação da imunização para crianças de 5 a 11 anos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A consulta pública que será aberta nesta quinta-feira ficará aberta até o dia 2 de janeiro. O ministério promete se posicionar de forma definitiva sobre o assunto até o dia 5 de janeiro. O aval da Anvisa abriu uma crise com a cúpula do governo e Jair Bolsonaro ameaçou divulgar nomes de integrantes da autarquia que aprovaram a medida. Queiroga também defendeu a exposição dos profissionais que vêm sendo ameaçados de morte por extremistas antivacina e bolsonaristas. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista: 

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email