Drauzio adverte sobre abolir uso de máscaras: "só tem uma justificativa, se for para disseminar ainda mais o vírus"

“É absurdo, parece uma loucura”, disse o médico oncologista em referência à pretensão de Jair Bolsonaro de desobrigar o uso de máscara para quem já tiver sido infectado ou estiver vacinado contra o coronavírus

Médico de Drauzio Varella e Jair Bolsonaro
Médico de Drauzio Varella e Jair Bolsonaro (Foto: Reprodução/Youtube | Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O médico Drauzio Varella criticou a intenção anunciada nesta quinta-feira (10) por Jair Bolsonaro de editar um decreto para desobrigar quem estiver vacinado ou já tiver sido infectado a usar máscara de proteção contra o coronavírus.

“Ela [a medida] só tem uma justificativa se for para disseminar ainda mais o vírus pelo país inteiro. Não consigo ver outra justificativa....É absurdo, parece uma loucura”, disse o oncologista em entrevista à Globo News.

A pneumologista e pesquisadora da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) Margareth Dalcolmo destacou que a pretensão de Bolsonaro desconsidera o alto risco de reinfecção e também a eficácia das vacinas, que não garantem 100% de proteção contra a doença.

“Ao ar livre seria admissível. Em ambiente fechado, mesmo vacinado, nós que já tivemos a doença devemos estar de máscara o tempo todo, até porque a gente tem algo chamado reinfecção”, afirmou.

Estatísticas

O número de pessoas vacinadas com ao menos uma dose contra a Covid-19 no Brasil chegou nesta quinta-feira (10) a 52.790.945, o que representou 24,93% da população total. 

Dos 52 milhões, 23,5 milhões receberam a segunda dose, o equivalente a 11,11% da população com a imunização completa contra o novo coronavírus.

De acordo com a plataforma Worldometers, o país contabilizou, até esta sexta-feira (11), o terceiro maior número de casos da Covid-19 (17,2 milhões), atrás de Índia (29,2 milhões) e Estados Unidos (34,2 milhões). 

O governo brasileiro também registrou a segunda maior quantidade de mortes (482 mil), atrás dos EUA (614 mil).

Inscreva-se no canal de cortes da TV 247 e saiba mais:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email