Mandetta quer flexibilizar quarentena: 'não existe uma ilha chamada saúde, a economia é sim importante'

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou, em entrevista coletiva virtual, que irá considerar a possibilidade de afrouxar as regras de isolamento social no país, para garantir que a economia não fique paralisada

www.brasil247.com - Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta
Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (Foto: Isac Nóbrega/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou que a pasta pode flexibilizar o isolamento social no país para poupar a economia. Ele disse que o “lock down” é uma “tragédia” e que está debatendo a questão com secretários municipais e estaduais de saúde para anunciar novas medidas.

A Reportagem da revista Fórum destaca a fala do ministro: "não existe quarentena horizontal, não existe vertical, não existe nada. Existe necessidade de arbitrar num determinado tempo qual o grau de retenção que uma sociedade deve fazer. O ‘lock down’, que é parada absoluta total, ela pode vir a ser necessária, em algum momento, em alguma cidade. O que não existe é um ‘lock down’, um fechamento de todo o território nacional, ao mesmo desarticulado. Isso é um desastre que vai causar muito problema para nós da saúde."

PUBLICIDADE

E prossegue: "não existe uma ilha chamada ‘saúde’. A economia é sim muito importante para a saúde. Nós colocamos em discussão o que liberar, o que fazer para as pessoas terem mobilidade, porque a última vez que foi usada quarentena no Brasil foi em 1917, na gripe espanhola."

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email