Nova York registra 30 casos de pessoas intoxicadas com desinfetante após sugestão de Trump

Os casos foram registrados na cidade, após o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sugerir produtos de limpeza para o tratamento contra o coronavírus

(Foto: REUTERS/Lucas Jackson)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O NYC Poison Control Center, Centro de Controle de Envenenamentos, uma subagência do Departamento de Saúde da cidade de Nova York, registrou pelo menos 30 casos de pessoas intoxicadas por causa de exposição a lisol, água sanitária e outros produtos de limpeza em 18 horas após o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sugerir esses tipos de substâncias para o tratamento contra o coronavírus. 

Com 929 mil confirmações de coronavírus, os EUA lideram o número de casos em nível mundial, à frente da Espanha (223 mil) e da Itália (192 mil). Ao todo, 52 mil pessoas morreram por causa da covid-19 em território americano. 

Em nível global são 2,8 milhões de casos e 199 mil falecimentos. 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247