Secretários pedem em carta que general Pazuello inclua vacina chinesa, parceira do Butantan, em cronograma nacional

Os secretários estaduais de Saúde enviaram ofício ao general Eduardo Pazuello, ministro da Saúde, pedindo para a vacina chinesa, que em parceria com o Instituto Butantan está em fase adiantada de testes, seja incluída no cronograma nacional de vacinação

General Eduardo Pazuello, ministro da Saúde
General Eduardo Pazuello, ministro da Saúde (Foto: Erasmo Salomão/MS)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - O conselho nacional dos secretários estaduais de Saúde enviou uma carta ao Ministério da Saúde nesta quinta-feira (15) cobrando compromisso de incluir a vacina chinesa, que será produzida pelo Instituto Butantan, no Programa Nacional de Imunizações.

Os secretários estão preocupados com a politização das vacinas pelo governo Bolsonaro, o que abre a possibilidade de priorizar a vacina da Oxford/Astrazeneca e de discriminar a vacina chinesa. 

A carta explica que o governo federal projeta a distribuição da vacina de Oxford (que no Brasil será produzida pela Fiocruz e também está em fase de testes) somente para abril, ao passo que o governo de São Paulo prevê a finalização da fase 3 de testes com a vacina chinesa até o início do mês de novembro.

PUBLICIDADE

Nesse cenário, o Conass (Conselho Nacional de Secretários de Estado da Saúde) pede que a pasta de Pazuello se comprometa a incluir em seu cronograma o imunizante desenvolvido pelo Butantan e "quaisquer outras vacinas produzidas e testadas por outras indústrias, que possuam condições de eficácia, segurança e produção disponível para iniciar a vacinação da população brasileira no mês de janeiro de 2021, ou no menor espaço temporal possível", informa a coluna Painel da Folha de S.Paulo.

O ofício foi redigido após reunião com o ministro Pazuello que despertou crise com os secretários de Saúde.

PUBLICIDADE

“As vacinas não estão sendo tratadas de forma republicana pelo Ministério da Saúde”, disse Jean Gorinchteyn, secretário de Saúde de São Paulo. 

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email