Tudo o que você precisa saber sobre a vacina russa contra o coronavírus

A vacina anunciada pela Rússia, batizada de Sputnik V, protege efetivamente uma pessoa contra a Covid-19 por até dois anos após a injeção, e consiste em duas aplicações, administradas em um intervalo de três semanas

Vacina russa contra Covid-19
Vacina russa contra Covid-19 (Foto: REUTERS / Anton Vaganov)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da Sputnik - A vacina russa chega enquanto países ao redor do mundo se preparam para a possibilidade de uma segunda onda de infecções por coronavírus. A onda inicial já infectou mais de 20 milhões de pessoas e ceifou a vida de mais de 736.000, dizimando as economias de muitos países no processo.

Em um anúncio histórico, o presidente russo, Vladimir Putin, nesta terça-feira, 11 de agosto, revelou que o Instituto de Pesquisa Gamaleya do país havia concluído os testes e o registro da primeira vacina do mundo contra o coronavírus.

A distribuição da vacina para os grupos que mais precisam começará em breve, embora o medicamento ainda não chegue às prateleiras para uso mais amplo. 

Aqui está o que você precisa saber sobre a vacina que pode marcar o início do fim da pandemia global .

  • A vacina protege efetivamente uma pessoa contra o coronavírus por até dois anos após a injeção.
  • Esse período prolongado de proteção é possível devido à vacina ser baseada em vetores virais - um adenovírus humano inofensivo entrega uma porção do vírus Covid-19 a um corpo humano, forçando-o a formar uma resposta imune a ele.
  • A vacina consiste em duas injeções, administradas em um intervalo de três semanas.
  • O registro da vacina ocorreu após uma série de testes realizados em animais e dois grupos formados por 38 voluntários humanos. Eles provaram que a vacina é inofensiva e eficaz na geração de imunidade à infecção por coronavírus.
  • Pessoas com idade entre 18 e 60 anos, que não tenham alergia a seus componentes e não estejam grávidas podem se vacinar com o medicamento . No entanto, aqueles que sofrem de doenças respiratórias terão que esperar até que a doença passe antes de serem vacinados.
  • O medicamento será distribuído principalmente para profissionais de saúde que lidam com pacientes com coronavírus. De acordo com os documentos de registro, a vacina estará disponível para o público em geral a partir de 1º de janeiro de 2021.
  • A produção em massa da vacina deve começar em um futuro próximo. Além do Instituto de Pesquisa Gamaleya, que desenvolveu a vacina, ela será produzida em uma farmacêutica da russa AFK Sistema, que prometeu uma produção de cerca de 1,5 milhão de doses por ano.
  • Moscou também assinou acordos com cinco outros países para produzir até 500 milhões de doses da droga nos primeiros 12 meses.
  • A vacina foi registrada como Gam-Covid-Vac, mas será distribuída com o nome "Sputnik V". O site oficial da droga explica que o sputnik original, o primeiro satélite soviético, desencadeou pesquisas espaciais globais e agora a vacina Covid-19 russa criará o chamado "efeito Sputnik" para o resto do mundo lutando contra a pandemia do coronavírus.
  • De acordo com o vice-diretor de trabalhos científicos do Instituto de Pesquisa Gamaleya, Denis Logunov, a pesquisa da vacina começou em fevereiro deste ano e foi concluída duas semanas depois. Esse ritmo rápido de desenvolvimento foi atribuído à equipe que utilizou um trabalho anterior em outro coronavírus - MERS - para criar a vacina Covid-19.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247