Venezuela autoriza uso emergencial da Sputnik V

O uso emergencial da Sputnik V foi aprovado em vários países, incluindo Argentina, Bolívia, Argélia, Sérvia e Palestina

Cientistas pesquisam possível vacina contra Covid-19 em São Petersburgo, na Rússia 11/06/2020
Cientistas pesquisam possível vacina contra Covid-19 em São Petersburgo, na Rússia 11/06/2020 (Foto: Sputnik News)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik Brasil - O Fundo Russo de Investimentos Diretos (RFPI, na sigla em russo) anunciou nesta quarta-feira (13) que a Venezuela aprovou o uso emergencial da vacina Sputnik V contra Covid-19.

O uso emergencial da Sputnik V foi aprovado em vários países, incluindo Argentina, Bolívia, Argélia, Sérvia e Palestina.

Em nota, o RFPI disse que a vacina será fornecida para a Venezuela através de parceiros internacionais na Índia, China, Coreia do Sul e outros países.

"Saudamos a decisão do Ministério da Saúde da Venezuela de aprovar o uso da Sputnik V — uma vacina segura e eficaz para prevenir a disseminação do novo coronavírus", afirmou Kirill Dmitriev, diretor-geral do RFPI.

Mais cedo, o  RFPI informou que vai entrar com o pedido de autorização para uso emergencial da Sputnik V no Brasil ainda esta semana.

"A Sputnik V é uma parte importante dos portfólios de vacinas de vários países latino-americanos agora, e esperamos mais parcerias de vacinas na região nas próximas semanas", completou Dmitriev.

Mais de 1,5 milhão de pessoas já foram vacinadas com a Sputnik V no mundo até esta quarta-feira (13). A eficácia da Sputnik V é superior a 90%, com proteção total contra casos graves de Covid-19.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247