Ernesto Araújo mobilizou diplomacia para garantir cloroquina, medicamento ineficaz para a covid e prejudicial à saúde

Em telefonema, Bolsonaro disse ao premiê indiano que havia resultados positivos da droga contra Covid no Brasil. Em abril do ano passado, o Itamaraty pediu que a embaixada na Índia fizesse gestões junto ao governo indiano para liberar uma carga de hidroxicloroquina

www.brasil247.com - Ex-ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo
Ex-ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo (Foto: Divulgação)


247 - O ex-chanceler Ernesto Araújo mobilizou a diplomacia brasileira para pedir a outros países o fornecimento de cloroquina ao país, mesmo depois que a Organização Mundial da Saúde interrompeu testes clínicos com a droga e as associações médicas alertaram para a ineficácia e os efeitos colaterais.

É o que revelam telegramas diplomáticos e informações de pessoas envolvidas nas negociações, publicadas em reportagem na Folha de S.Paulo nesta segunda-feira (10).

Ernesto Araújo, ex-chefe do Itamaraty, irá depor na quinta-feira (13) na CPI da Covid bi Senado. Ele será questionado se o país sofreu prejuízos durante sua gestão na aquisição de insumos e vacinas por causa da política externa do governo Bolsonaro

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O Itamaraty envolveu-se numa verdadeira corrida à cloroquina logo depois que Bolsonaro começou a falar em possível cura para a doença em suas redes sociais, a partir de 21 de março do ano passado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Naquele dia, o Ministério das Relações Exteriores pediu, em telegrama, que os diplomatas tentassem “sensibilizar o governo indiano para a urgência da liberação da exportação dos bens encomendados pelas empresas antes referidas [EMS, Eurofarma, Biolab e Apsen] e outras que se encontrem em igual condição, cujo desabastecimento no Brasil teria impactos muito negativos no sistema nacional de saúde”. Na época, o governo indiano havia restringido a exportação da cloroquina.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em outra comunicação, no dia 15 de abril, o ministério pede que a embaixada na Índia faça gestões junto ao governo indiano para liberar uma carga de hidroxicloroquina comprada pela empresa Apsen antes de a exportação ser vetada por Déli e para que a venda da droga seja normalizada.

Durante todo o mês de abril, houve inúmeros pedidos do Itamaraty para a obtenção de cloroquina - defendida por Bolsonaro como “cura” para a Covid-19.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email