CPI pede quebra de sigilo telemático de Bolsonaro

Quebra de sigilo telemático requer que o Google, o Facebook, e o Twitter enviem informações como registros de conexão, informações de Android (IMEI) e dados cadastrais. A CPI também pede o banimento das contas de Jair Bolsonaro nas redes sociais

www.brasil247.com -
(Foto: Alan Santos/PR | Pedro França/Agência Senado)


 Maria Carolina Marcello, Reuters - A CPI da Covid no Senado aprovou nesta terça-feira o pedido de quebra de sigilo telemático do presidente Jair Bolsonaro, dias após ele divulgar em transmissão ao vivo em redes sociais notícias falsas associando as vacinas contra o coronavírus à Aids.

O requerimento aprovado nesta terça, dia em que os senadores devem votar o relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), pede que os dados sigilosos do presidente desde abril de 2020 sejam encaminhados ao Procurador-Geral da República (PGR) e ao Supremo Tribunal Federal (STF).

A quebra de sigilo telemático requer que o Google, o Facebook, e o Twitter enviem informações como registros de conexão, informações de Android (IMEI) e dados cadastrais, além da cópia integral de todo conteúdo armazenado nas plataformas Facebook, Instagram, YouTube, e Twitter. Também pede que o acesso às contas do presidente seja suspenso.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em outra frente, o requerimento solicita à Advocacia do Senado Federal que represente ao STF e à PGR pedindo a investigação de Bolsonaro e o banimento de suas contas nas redes sociais. Segundo o documento, a ação judicial tem o objetivo de fazer com que ele se retrate em cadeia nacional, desmentindo a correlação entre a vacina contra a Covid-19 e o surgimento da Aids, sob pena de multa pessoal diária de 50 mil reais por dia e descumprimento de decisão judicial.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Não podemos mais tolerar esse tipo de comportamento, razão por que precisamos de medidas enérgicas e imediatas para viabilizar a investigação e a responsabilização do presidente da República nos termos da Constituição por atos atentatórios às políticas públicas de enfrentamento à pandemia de Covid-19", argumentou o vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), autor do requerimento.

"Dessa forma, entre as medidas impreteríveis, é mister a quebra de sigilo telemático das redes sociais do presidente da República, acima indigitadas, a suspensão cautelar de acesso aos respectivos perfis com vistas a se evitar a destruição de provas, e a retratação por parte do presidente da República, providências que ora requeiro", acrescentou Randolfe.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na segunda-feira, o Facebook o YouTube tiraram do ar o vídeo da última live semanal de Bolsonaro, após o presidente afirmar na transmissão que pessoas vacinadas contra a Covid-19 "estão desenvolvendo a síndrome da imunodeficiência adquirida (Aids) muito mais rápido do que o previsto".

A live da última quinta-feira não consta mais do arquivo com todos os demais vídeos do presidente na plataforma. O Facebook informou na segunda-feira, por meio da assessoria de imprensa, que suas políticas "não permitem alegações de que as vacinas de Covid-19 matam ou podem causar danos graves às pessoas".

O YouTube, da Alphabet, informou que também removeu o vídeo em questão "por violar as nossas diretrizes de desinformação médica sobre a Covid-19 ao alegar que as vacinas não reduzem o risco de contrair a doença e que causam outras doenças infecciosas".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O YouTube acrescentou que suas diretrizes "estão de acordo com a orientação das autoridades de saúde locais e globais, e atualizamos as nossas políticas à medida que a orientação muda".

Inscreva-se na TV 247, seja membro e assista à sessão da CPI ao vivo:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email