Defesa do dono da Precisa pede ao STF que ele resolva se quer ou não ir à CPI

Advogados alegam que Francisco Maximiano tem este direito por ser investigado. O empresário também informou à Corte que viajou para a Índia no último domingo. As manobras de sua defesa para protelar o depoimento estão tendo sucesso até agora

(Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado | Reprodução | Dorivan Marinho/SCO/STF)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - Os advogados do empresário Francisco Maximiano, dono da Precisa Medicamentos, ingressaram com um pedido junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) para que ele possa escolher se irá comparecer ou não à sessão da CPI da Covid marcada para  a próxima quarta-feira (4) alegando que, como investigado, ele tem este direito. De acordo com o jornal O Globo, Maxiano também informou à Corte que viajou para a Índia no domingo (25). As manobras de sua defesa para protelar o depoimento estão tendo sucesso até agora.

"As próprias falas dos Senadores ao decorrer das Sessões da CPI, deixam clara a incontroversa condição de investigado do ora agravante. Veja-se alguns exemplos. Em sessão da CPI realizada no último dia 13.07. 2021, o Senador Randolfe Rodrigues foi claro ao pontuar que o ora agravante seria um dos focos de investigação da comissão", diz um trecho do recurso protocolado no STF. 

A defesa também ressaltou que Francisco Maximiano já está sendo alvo de um inquérito na Polícia Federal, além de ser investigado pelo Ministério Público Federal (MPF) e pela Controladoria-Geral da União (CGU). 

PUBLICIDADE

A Precisa Medicamentos entrou na mira da CPI da Covid pela suspeita de irregularidades no contrato para a venda da vacina Covaxin, produzida pelo laboratório indiano Bharat Biotech. A empresa atuava como intermediária da farmacêutica no Brasil. Na semana passada, a Bharat Biotech rescindiu o acordo com a Precisa e afirmou não reconhecer a autenticidade de dois documentos enviados pela empresa brasileira ao Ministério da Saúde.

"Informe-se, por lealdade processual, que o agravante Francisco Maximiano se deslocou à Índia, no dia 25/07/2021, para tratar sobre as recentes notícias de rescisão da representação comercial da Bharat Biotech exercida pela Precisa Medicamentos no Brasil. Por razões óbvias, o agravante embarcou no dia seguinte que foi comunicado pela Bharat, a fim de esclarecer que não teve qualquer relação com a elaboração do documento supostamente adulterado, bem como para reuniões com a fabricante de vacinas e a adoção de eventuais medidas judiciais", destacou a defesa no recurso.

PUBLICIDADE

Inscreva-se no canal Cortes 247 e saiba mais: 

 

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email