Em 200 falas, Bolsonaro expõe seu negacionismo, que levou mais de 400 mil brasileiros à morte

A CPI da Covid tem em suas mãos para análise 200 falas de Jair Bolsonaro, em que expõe opiniões contrárias a medidas que evitariam a morte de mais de 400 mil brasileiros

Jair Bolsonaro e covas para mortos por coronavírus
Jair Bolsonaro e covas para mortos por coronavírus (Foto: Agência Brasil | Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A CPI da Covid está analisando, para efeito de apuração das responsabilidades de Jair Bolsonaro com o descontrole da pandemia, que levou à morte de mais de 400 mil brasileiros até agora, as falas do titular do Poder Executivo em que ele critica o isolamento social e propagandeia o uso da  hidroxicloroquina, medicamento contraindicado pela comunidade científica nacional e internacional para o tratamento da Covid-19. 

A equipe da CPI da Covid vai investigar, entre outras coisas, a propagação por Bolsonaro de discurso negacionista. As falas de Bolsonaro compiladas pela comissão propagandeiam o uso da hidroxicloroquina contra a Covid-19, minimizam o coronavírus, chegando a chamá-lo de "gripezinha", destaca reportagem da Folha de S.Paulo. Bolsonaro fez também declarações contra a aquisição de vacinas e a imunização da população. 

A CPI da Covid vai usar declarações e ações de Bolsonaro como base para demonstrar os crimes que cometeu ao longo da pandemia. 

PUBLICIDADE

Bolsonaro cometeu crimes como atentar contra odireito à saúde do povo brasileiro, crimes de responsabilidade e falta de decoro.

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE

Apoie o 247

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email