Governo Bolsonaro atrasou vacinação ao ignorar 10 emails da Pfizer em 1 mês, mostram documentos da CPI

Farmacêutica entregou em caráter sigiloso à CPI da Covid uma série de emails que mostram que suas propostas foram ignoradas pelo governo durante pelo menos um mês

(Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Uma série de emails entregue pela Pfizer à CPI da Covid em caráter sigiloso mostra que a farmacêutica tentou negociar vacinas com o governo, mas não obteve respostas conclusivas do Ministério da Saúde

De 14 de agosto a 12 de setembro de 2020, a Pfizer enviou ao menos menos dez emails discutindo e cobrando resposta formal do governo sobre a oferta apresentada.

Segundo informações da Folha de S.Paulo nesta sexta-feira (21), baseada nos documentos enviados pela farmacêutica à CPI, a primeira oferta da empresa foi formalizada ao Brasil em 14 de agosto, de 30 milhões e 70 milhões de doses, e tinha validade até o dia 29 daquele mês.

Após o envio do documento, a Pfizer mandou emails por três dias cobrando resposta, sem sucesso. 

A oferta da Pfizer previa início de imunização em dezembro do ano passado, com 1,5 milhão de doses e mais 3 milhões no primeiro trimestre deste ano. Mas o governo Bolsonaro só firmou acordo com o laboratório em março de 2021. ​

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email