Luis Miranda diz à CPI que Bolsonaro culpou um parlamentar por corrupção na Covaxin: 'isso é coisa de fulano'

O deputado Luis Miranda, no entanto, disse não recordar o nome do parlamentar que estaria envolvido no escândalo de superfaturamento do imunizante indiano. Acompanhe o depoimento na TV 247

(Foto: Agência Senado | ABr)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - O deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) presta depoimento nesta sexta-feira (25) à CPI da Covid e dá detalhes sobre o escândalo de corrupção envolvendo a compra da vacina Covaxin.

Em seu depoimento, Miranda disse que Jair Bolsonaro confirma que esteve com o parlamentar recebendo a denúncia de corrupção no pagamento antecipado do contrato para o imunizante indiano.

"Levei para a pessoa certa, que deveria dar o devido provimento ao assunto, que é o Presidente da República. Presidente este que não nega, e é impossível negar que nós estivemos com ele. Ele nos recebeu no sábado, por conta que eu aleguei que era urgente", disse Miranda.

PUBLICIDADE

O deputado Luis Miranda disse também que, ao saber das irregularidades, Jair Bolsonaro teria atribuído a culpa a um parlamentar, cujo nome ele disse não se recordar. 

"O presidente entendeu a gravidade. Olhando nos meus olhos, ele falou 'isso é grave'. Não me recordo o nome do parlamentar, mas ele até citou um nome para mim, dizendo 'isso é coisa de fulano'. Ele [Bolsonaro] falou: 'vou acionar o DG da Polícia Federal, porque, de fato, isso é muito grave, o que está ocorrendo", relatou o deputado Luis Miranda.

PUBLICIDADE

 Assista ao trecho: 


O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email