Mayra Pinheiro mentiu ao menos 11 vezes em depoimento à CPI, aponta checagem

Equipe de checagem organizada pelo senador Renan Calheiros encontrou 11 informações inverídicas prestadas pela "Capitã Cloroquina" à CPI da Covid. Saiba quais foram

(Foto: Edilson Rodrigues)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - A secretária de Gestão do Trabalho e Educação do Ministério da Saúde, Mayra Pinheiro, conhecida como "Capitã Cloroquina", mentiu em pelo menos 11 vezes em seu depoimento à CPI da Covid nesta terça-feira (25). 

A checagem foi feita pela equipe organizada pelo senador Renan Calheiros (MDB), relator da CPI. 

Leia, abaixo, a íntegra do documento a que a CNN Brasil teve acesso:

PUBLICIDADE

DESTAQUES CONTRADITÓRIOS DO DEPOIMENTO

MAYRA ISABEL CORREIA PINHEIRO

ASSUNTO - FALSO TESTEMUNHO - VERDADE DOS FATOS

PUBLICIDADE

TRATAMENTO PRECOCE

Utilizado por profissionais médicos de todos os mundos, que oferecem assim que feito o diagnóstico.

Não há qualquer dado a esse respeito, sobretudo após a recomendação da OMS em sentido contrário ao uso de cloroquina, hidroxicloroquina e ivermectina.

PUBLICIDADE

MEDICAMENTOS PARA COVID

Notas Orientativas do Ministério da Saúdo, nº 9 e nº 17 apenas recomendam.

O documento “Plano Manaus”, assinado pelo Ministro Pazuello, diz textualmente que deve incentivar o tratamento precoce. O aplicativo TrateCov, por sua vez, indica expressamente o tratamento. A depoente, em ofício encaminhado à Secretaria de Saúde considera inadmissível não usar a cloroquina e demais remédios.

PUBLICIDADE

PESQUISAS NA ÁREA DE INFECTOLOGIA

Não levou, enquanto secretária, informações ou experiências a respeito de estudos, pesquisas e publicações na área de infectologia.

Ao longo de todo o depoimento relembra suas experiências, pesquisas e informações.

CLOROQUINA

Assevera ser antiviral.

Mantém a orientação para uso de Cloroquina e Hidroxicloroquina.

A Cloroquina não é um antiviral nem um anti-inflamatório, e sim um antimalárico, utilizado em casos de malária, que é um protozoário, não um vírus.

OMS e Conitec recomendam não utilizar os medicamentos, porque inócuos ao tratamento.

TRATECOV

A plataforma foi retirada do ar porque foi hackeada e dados teriam sido irregularmente alterados.

Ela mesma se contradisse, e contradisse Pazzuelo, ao afirmar que a plataforma foi retirada do ar, APENAS, para fins de investigação, sem que tenha havido deturpação (como declarou Pazzuelo) ou alteração (como ela mesma disse) da plataforma.

OMS e CONITEC

Levou em consideração os estudos e declarações a respeito do uso de cloroquina e hidroxicloroquina

Usou e recomendou o uso, porque, segundo suas próprias declarações contraditórias, as recomendações da OMS e CONITEC foram baseados em estudos com qualidade metodológica questionáveis.

POPULAÇÃO PEDIÁTRICA

Declara que 37,5% da população pediátrica tem menos chance de contrair a doença. E que todas deveriam ter continuado estudando presencialmente.

Desconsidera que, em todas as escolas, há presença de adultos. E, para piorar, não apresenta percentual de transmissão, de crianças para adultos.

ISOLAMENTO

Afirma que o isolamento causou mais pânico na cidade, atrapalhou a evolução natural da doença e impediu o efeito rebanho de imunização.

Contradisse sua declaração ao ser perguntada se teria conhecimento, recebido estudo técnico ou análise dessa tese e de seu impacto sobre a saúde pública, afirmando que NÃO RECEBEU.

Também afirmou que tal tese nunca foi cogitada pelo Ministério da saúde e que desconhece qualquer médico que defendesse igual teoria.

COMANDO DO M.S.

Declarou continuidade dos trabalhos desde a gestão Mandetta.

Contradisse sua afirmação ao afirmar os diferentes Ministros adotaram decisões diversas porque as necessidades quanto à pandemia teriam mudado ao longo do tempo.

MANAUS

Afirma que conhecia previamente a situação e as características do sistema de saúde de Manaus, que já havia experimentado um colapso em abril e maio de 2020.

Há clara contradição quando declara que, somente esteve em Manaus entre 3 e 5 de janeiro, quando tomou ciência da realidade ali apresentada.

E, declara também que só se deslocou a Manaus em 3/1/21, para providências pertinentes, por ordem do Ministro Pazzuelo.

OXIGÊNIO EM MANAUS

Seria impossível prever a quantidade de oxigênio a ser usada e a consequente falta do fornecimento.

Contradição com o que afirmou ao Ministério Público Federal: “é possível realizar esse cálculo a partir do prognóstico de hospitalizações, pois se estima a quantidade de insumo a partir do número de internados.

Inscreva-se na TV 247, seja membro, e acompanhe:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email