Renan Calheiros: Marconny faz o mais cínico dos depoimentos prestados à CPI da Covid

O relator da CPI da Covid fez a crítica após o advogado Marconny Albernaz Ribeiro, apontado como lobista da Precisa Medicamentos, dizer que não se recorda sobre os encontros com o ex-secretário-executivo da Anvisa José Ricardo Santana

Senador Renan Calheiros e o advogado Marconny
Senador Renan Calheiros e o advogado Marconny (Foto: Pedro França/Agência Senado | Roque de Sá/Agência Senado)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - O relator da CPI da Covid, Renan Calheiros (MDB-AL), afirmou que o advogado Marconny Albernaz Ribeiro, apontado como lobista da Precisa Medicamentos, tem o mais "cínico" dos depoimentos já prestados à Comissão Parlamentar de Inquérito. "Estamos diante do mais cínico dos depoimentos. Igual a esse nenhum. Ele não se recorda que esteve com Ricardo Santana apesar dos documentos fartos que nós temos", disse o parlamentar.

"Era um militante político. Veja o estágio de degenerescência que nós nos expomos nos últimos anos no país. Se destacou no trabalho de bastidor, de lobby, de defesa de interesses escusos para várias empresas, principalmente, para a Precisa", disse Calheiros.

No mês passado, o empresário José Ricardo Santana passou à condição de investigado pelo colegiado. Ele foi citado como parte do encontro de 25 fevereiro em que, segundo o policial Luiz Paulo Dominghetti, o ex-diretor de logística do Ministério da Saúde Roberto Ferreira Dias teria pedido propina em um contrato de vacinas contra a Covid-19.

PUBLICIDADE

Assista à CPI da Covid pela TV 247:

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email