Renan diz que CPI estuda investigar Bolsonaro: “temos um louco na Presidência”

Relator diz que a CPI da Covid discute a possibilidade legal do colegiado investigar Jair Bolsonaro pelos crimes cometidos no enfrentamento à pandemia

(Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - O senador Renan Calheiros (MDB-AL) afirmou nesta sexta-feira (18), que a CPI da Covid discute a possibilidade legal do colegiado investigar Jair Bolsonaro pelos crimes cometidos no enfrentamento à pandemia.

“Isso é uma análise que estamos fazendo, refletindo e meditando, ouvindo as instituições. Se a Comissão Parlamentar de Inquérito puder diretamente investigar o presidente da República, queria, de antemão, avisar que nós vamos investigar sim”, disse Renan, que é relator da CPI. “Mesmo não podendo convocar e não podendo investigar, a CPI vai ter que responsabilizar, sim. Diante de provas, não há como não responsabilizar”, acrescentou. 

Para Renan, Bolsonaro representa um risco de morte para os brasileiros. “Tem um louco na presidência que todo dia atenta contra a vida dos brasileiros”, disparou.

PUBLICIDADE

Inscreva-se na TV 247, seja membro, e compartilhe:

Senadores da oposição retiram-se de sessão da CPI com médicos negacionistas

Os senadores de oposição que integram a CPI da Covid deixaram a sala em que é realizada a sessão onde estão sendo ouvidos os médicos Ricardo Ariel Zimerman e Francisco Eduardo Cardoso Alves, defensores do uso de drogas sem eficácia comprovada no tratamento da Covid-19, como a ivermectina e hidroxicloroquina.

PUBLICIDADE

O relator, senador Renan Calheiros (MDB-AL),  se recusou a fazer perguntas e deixou o local. "Não tenho nada para perguntar", disse Renan. ele  foi seguido pelo vice-presidente da comissão, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e por Humberto Costa (PT-PE).

A iniciativa revoltou a base governista e o senador Marcos Rogério (DEM-RO) pediu que o presidente do colegiado, Omar Aziz (PSD-AM) designasse alguém para ser o relator substituto. Aziz negou o pedido e justificou a saída dos colegas. "Não posso obrigar ninguém a fazer perguntas", ressaltou. 

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email