Sócio da Precisa Medicamentos alega quarentena para não depor à CPI da Covid

Francisco Emerson Maximiano teria intermediado a venda superfaturada de vacinas ao governo Bolsonaro, com intermediação de Ricardo Barros, líder do governo

www.brasil247.com - CPI da Pandemia, Ricardo Barros e Jair Bolsonaro
CPI da Pandemia, Ricardo Barros e Jair Bolsonaro (Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado | Alan Santos/PR | Isac Nóbrega/PR)


Por Ricardo Brito (Reuters) - O empresário Francisco Emerson Maximiano, sócio da Precisa Medicamentos, informou à CPI da Covid que não poderá prestar depoimento na quarta-feira à comissão, como estava previsto, porque está cumprindo quarentena em razão de ter voltado de uma viagem à Índia.

Inscreva-se no canal de cortes da TV 247 e saiba mais:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email