Wajngarten: carta da Pfizer sobre compra de vacinas ficou dois meses sem resposta pelo governo

No documento, cujo um dos destinatários é Jair Bolsonaro, a farmacêutica americana pede pressa ao governo federal na compra de seus imunizantes, tendo em vista a alta demanda mundial

Fabio Wajngarten em depoimento na CPI da Covid no Senado nesta quarta-feira (12)
Fabio Wajngarten em depoimento na CPI da Covid no Senado nesta quarta-feira (12) (Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - O ex-chefe da Secom da Presidência da República Fabio Wajngarten confirmou em depoimento na CPI da Covid no Senado nesta quarta-feira (12) que a carta encaminhada pelo CEO mundial da Pfizer, Albert Bourla, a Jair Bolsonaro em setembro do ano passado ficou dois meses sem ser respondida. 

No documento, a farmacêutica americana pede pressa ao governo federal na compra de seus imunizantes, tendo em vista a alta demanda mundial. 

"A carta existe. Eu disse que a quantidade de vacinas não era 70 milhões. Ela foi enviada em 12 de setembro", disse Wajngarten ao ser questionado pelo relator da CPI, senador Renan Calheiros (MDB-AL). 

PUBLICIDADE

O ex-chefe da Secom revelou que os destinatários da carta eram Jair Bolsonaro, o ministro da Economia, Paulo Guedes, o então ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e o então ministro-chefe da Casa Civil, Walter Braga Netto.

O vice-presidente da CPI, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), acrescentou que o documento também tinha como destinatários  o vice-presidente, Hamilton Mourão, e o embaixador do Brasil nos EUA, Nestor Forster Jr.

PUBLICIDADE

"Eu recebi essa carta em 9 de novembro, e até esse dia ninguém havia respondido essa carta", disse Wajngarten. 

Segundo os relatos do ex-chefe da Secom, a cronologia da carta enviada pela Pfizer se deu da seguinte forma:

PUBLICIDADE
  • Governo recebe carta da Pfizer em 12 de setembro;
  • Em 9 de novembro, Wajngarten recebe ligação do presidente da Pfizer e imediatamente informa Bolsonaro. Paulo Guedes estava junto e falou "vacina é o caminho";
  • Somente em 22 de fevereiro o governo edita MP tratando da compra de vacinas.

Acompanhe o depoimento de Wajngarten ao vivo na TV 247:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email