"3 Refeições”, filme que resgata a caminhada de Lula, é selecionado para o 13º Los Angeles Brazilian Film Festival

O filme 3 Refeições, da cineasta (e grande poetisa) Maria Maia, é o registro documental da primeira caravana do ex-presidente Lula, a Caravana da Cidadania, que desceu o Brasil, de Pernambuco a São Paulo, parando em 60 cidades para encontros com as comunidades mais esquecidas entre os esquecidos:

(Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Tereza Cruvinel

O filme 3 Refeições, deda cineasta (e grande poetisa) Maria Maia, é o registro documental da primeira caravana do ex-presidente Lula, a Caravana da Cidadania,  que desceu o Brasil, de Pernambuco a São Paulo, parando em 60 cidades para encontros com as comunidades mais esquecidas entre os esquecidos: aquelas onde as pessoas não podiam comer três vezes por dia. Às vezes nenhuma.  Na Caravana da Cidadania, revisitando o território da fome de onde saiu quando criança, Lula viu e ouviu os esquecidos, o que sofriam com a falta dágua e não comiam  3 vezes por dia. Ele  ainda faria outras caravanas mas aquela marcou indelevelmente sua caminhada política: ao ser eleito presidente, em 2002, ele fez um repto a si mesmo: seu mandato, conferido pelo povo, só teria valido a pena se ele conseguisse garantir a todos brasileiros o direito a 3 refeições por dia.

Ele fez muito mais que isso, não apenas tirando 36 milhões brasileiros da miséria. Deu início às obras de transposição das águas do Rio São Francisco para as regiões mais secas do Nordeste (que outros tentariam faturar como suas num futuro triste), criou universidades não tendo frequentado uma, tornou-se um líder global admirado, embora sendo monoglota, dinamizou a economia e produziu uma inédita mobilidade social. A classe média se expandiu (embora não tenha reconhecido a origem de sua ascensão nas políticas públicas) e os miseráveis ganharam dignidade e tornaram-se cidadãos. 

Com direito a 3 refeições. Quando o Brasil volta ao mapa da fome, quando as políticas públicas deixadas por Lula são suprimidas ou deformadas pelo novo populismo de extrema-direita, quando a cidadania é sufocada e o futuro da democracia é uma interrogação, ver 3 refeições é animador. O filme nos diz para não desistirmos, como Lula não desistiu. Ele ainda perderia duas eleições depois da caravana até ser eleito presidente. “Eles passarão, nós passarinhos”, como versejou Mario Quintana.   O filme de Maria Maia é fundado em imagens de época que ela mesma captou e guardou, seguindo a caravana. Mas tem uma pegada glauberiana, no sentido de que busca as origens profundas da tragédia brasileira. E assim, ela coloca na moldura da caravana a  guerra santa de Antonio Conselheiro e o encontro de Euclides da Cunha com o Brasil profundo. Há filmagens em Monte Santo e Canudos, região visitada por ele, inspiradora de Os Sertões,  a mesma em que Glauber ambientou Deus e o Diabo na Terra do Sol.O filme “ouve”, mais tarde, diversas personalidades com algo a dizer sobre o sentido da presidência Lula e as políticas públicas erigidas para garantir as 3 refeições.

A cineasta

Maria Maia nasceu no Acre e adotou Brasília, tendo estudado Sociologia e Antropologia na UnB, onde fez o mestrado em Comunicação Social.  Poeta e escritora, publicou poemas em antologias, jornais e revistas; publicou os livros Desejante (2018) e Quase toda poesia (2019); e o ensaio Villa-Lobos pelo Mundo toca a Alma Brasileira. Já realizou 63 filmes, entre curtas, médias e longas, tendo trabalhado 20 anos como roteirista e diretora de filmes na TV Senado, onde produziu títulos de grande importância e sobre personagens como Claude Lévi-Strauss, Candido Portinari, Glauber Rocha, Darcy Ribeiro, Chico Mendes entre outros. Já como produtora independente, produziu e dirigiu  os curtas Inferno e paixão; Espelhos Abomináveis; Reservas Extrativistas na Amazônia; Deuses no Juruá (em co-direção com Rogério Sganzerla); e os longas 3 Refeições e Sonia e Lygia, sobre as irmãs multiartistas Sonia Lins e Lygia Clark, em processo de lançamento.

O Los Angeles Brazilian Film Festival (LABRFF), criado em 2008, é tido como o festival de cinema brasileiro de maior prestígio no exterior. É estratégico por sua proximidade com Hollywood. Já exibiu mais de 800 títulos e premiou mais de 300 profissionais brasileiros. 

Veja a programação completa no site do LABRFF 2020, https://labrff.com/, e faça sua inscrição para assistir todos os filmes na plataforma https://filmocracy.com, no período de 21 a 29 de outubro.  seu passe para o festival e se registrar no Filmocracy.comA maioria

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247